Marido de grávida morta em acidente diz que vai carregar culpa até morrer

Em entrevista ao Fantástico, comerciante confirmou que passou no sinal vermelho. "Cometi um erro e estou pagando esse preço aí"

iG São Paulo |

Indiciado por homicídio culposo pela morte da própria mulher grávida de oito meses em um acidente de carro , no primeiro dia do ano, na zona sul de São Paulo, o comerciante Landerson Correa Rodrigues, de 37 anos, falou, em entrevista ao programa "Fantástico", da Rede Globo, que irá carregar a culpa pela morte de Lilian Maria dos Santos, de 30 anos, para o resto da vida.

Vídeo: Polícia divulga imagens do acidente que matou grávida em São Paulo
O caso: Motorista envolvido no acidente em que grávida morreu já respondia a inquérito

“Eu tenho isso dentro de mim. Não precisa de um juiz querer me condenar, o delegado, quem for. Eu tenho ela (culpa) comigo. Eu vou carregar ela até que dia? Até eu morrer", afirmou durante a entrevista. 

Imagens da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) mostram que Rodrigues não respeitou o semáforo vermelho e provocou a batida que matou não só ela como o bebê. O viúvo vai responder por homicídio culposo (sem intenção), com as agravantes de imprudência ao volante e negligência - ela estava sem cinto. Veja as imagens abaixo:

Durante a entrevista, Rodrigues confirmou que passou no sinal vermelho, e disse que fez isso por motivo de segurança. "Eu confirmo que eu cometi esse delito de passar no sinal vermelho. Cometi um erro e estou pagando esse preço aí. Eu não vou ficar parado na madrugada no farol esperando acontecer uma tragédia, talvez um assalto, um cara se desesperar, dar um tiro. Então, você fica meio que numa sinuca de bico”.

O acidente aconteceu à 1h20 do dia 1º. Médicos do Hospital São Paulo chegaram a fazer o parto de Lilian, que estava grávida de oito meses, mas o bebê morreu horas depois. A suspeita de que teria sido Rodrigues o principal responsável pelo acidente já havia sido usada como argumento para o relaxamento da prisão do representante comercial Carlos Alberto Aparecido de Souza Dias Fiore, de 29 anos, motorista do Peugeot que bateu no Fiat Idea ocupado por Rodrigues, Lilian, a filha de 8 anos do casal e uma sobrinha.

Mas Fiore ainda é acusado de homicídio doloso (com intenção), porque, pouco antes do acidente, havia bebido e consumido cocaína. Segundo o advogado de Fiore, Sidney Lázaro dos Santos, o representante deixou a prisão nesta sexta-feira, após pagar R$ 20 mil de fiança. "Ele está abalado por causa do acidente. Afinal, duas pessoas morreram", diz o advogado. 

Fiore já responde por embriaguez: Motorista envolvido no acidente já respondia a inquérito

Oslaim Brito/Futura Press
Fiore faz exame de corpo de delito no IML antes de ir para Centro de Detenção Provisória
Falhas na investigação

O delegado Airton Amore considera que houve falha na captação de provas já que não foi feito um exame toxicológico de Landerson Rodrigues após o acidente. “Não foi feito o teste de dosagem alcoólica porque no momento do flagrante tudo indicou que era a mulher que estava dirigindo, até pela posição em que ela ficou no carro. Ficou uma falha de prova. Estamos oficiando todos os órgãos envolvidos no momento do acidente para saber se algum depoimento aponta que ele podia estar embriagado”. Segundo Amore, Landerson afirmou durante o depoimento que não teria bebido.

Para o delegado, o caso está esclarecido e Landerson teria agido com imprudência, ao cruzar a avenida com o semáforo vermelho, e com possível negligência caso a sua mulher e as crianças que estavam no carro não estivessem usando o cinto de segurança. “Já elucidamos o crime. O Landerson atravessou o farol vermelho, colocando em risco a vida dele, da mulher e até de outros motoristas.”

AE
Landerson passou no semáforo vermelho no cruzamento onde ocorreu o acidente


    Leia tudo sobre: grávidaacidentecolisão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG