Mapa digital desvenda subsolo de São Paulo

Expectativa é que com planta das tubulações que levam água, gás e outros serviços ocorra redução do número de acidentes

AE |

selo

O subsolo da capital paulista foi finalmente desvendado. Após quase três anos de trabalho, o emaranhado de redes existentes debaixo das ruas de São Paulo está ao alcance de um clique, na tela do computador. O GeoConvias, programa desenvolvido para mapear as milhares de tubulações que levam água, gás e outros serviços à população, disponibiliza os dados em mapas digitais. A ferramenta permite a identificação detalhada de cada rede, não apenas do subsolo, pois as ligações aéreas da Eletropaulo também constam do sistema.

A expectativa é de que as informações permitam uma melhor organização do território subterrâneo e reduzam o número de acidentes. Em 2009, por exemplo, dois canos da Companhia de Gás de São Paulo (Comgás) foram rompidos durante as obras de ampliação das pistas da Marginal do Tietê, deixando milhares de pessoas sem abastecimento. No "google maps" municipal, os serviços são revelados por traços coloridos. Linhas azuis mostram as ligações de água, as verdes revelam as tubulações de gás e as roxas indicam onde estão os cabos de telefonia.

Os novos pedidos de obras também estão demarcados, em áreas tracejadas no mapa da cidade. Cada item tem uma legenda específica dentro do programa, que também identifica poços, postes de luz, telefones públicos, piscinões, galerias de água pluvial, construções da Prefeitura e bocas de lobo. Saber a localização desses equipamentos durante a realização de uma obra é outra forma de evitar acidentes e desperdício de verba pública.

Desenvolvido sob a supervisão do Departamento de Controle de Uso de Vias Públicas (Convias), o programa elimina a busca de informações em plantas de papel e, por isso, acelera o processo de emissão de alvarás para instalação de novas redes ou ampliação das tubulações já existentes. Segundo a diretora, Antonia Ribeiro Guglielmi, o sistema também facilita o acompanhamento das obras autorizadas. "Podemos fiscalizar se a obra que está sendo executada está seguindo ou não o projeto aprovado. O programa mostra até o número de cada processo ao aproximar o mouse da rede pesquisada. Assim, fica mais fácil checar os dados." As informações são do jornal O Estado de S.Paulo .

    Leia tudo sobre: NACIONALGERAL

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG