Justiça nega transferência a Suzane von Richthofen

Juíza nega habeas corpus que pedia ida de Suzane a Centro de Ressocialização

iG São Paulo |

Suzane von Richthofen, condenada a 38 anos de prisão pela morte dos pais em 2002, teve, nesta terça-feira, seu pedido de habeas corpus negado pela juíza Sueli Zeraik de Oliveira Armani, da 1ª Vara das Execuções Criminais de Taubaté. Suzane está presa desde 2007 na Penitenciária feminina de Tremembé e solicitava a transferência para um Centro de Ressocialização.

O advogado de Suzane, Denivaldo Barni, alega no pedido que a jovem já cumpriu pena em um Centro de Ressocialização antes de ir para Tremembé e que nele ela poderia receber tratamento especifico e particularizado, "em consonância com o princípio constitucional de individualização da pena".

Já a juiza afirma que o bom comportametno carcerário da condenada, por si só, não confere direito a transferência. Segundo ela, a lei determina que o habeas corpus só é dado "quando alguém sofre ou se acha ameaçado de sofrer violência". Além disso, a juíza Sueli justificou que a transferência de presos para os Centros de Ressocialização só pode ser feita nos casos em que a pena não ultrapassa os 10 anos, independentemente do crime cometido.

Além de Suzane, os irmãos Christian e Daniel Cravinhos foram condenados a 38 anos de prisão pelo assassinato de Manfred e Marísia von Richthofen. Os dois cumprem pena no Presídio II de Tremembé, que abriga outros presos famosos, como o segurança Lindemberg Alves, acusado de matar a ex-namorada Eloá Pimentel, de 15 anos, e Alexandre Nardoni, condenado pela morte da filha Isabella Nardoni, de 5 anos.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG