Justiça nega liminar e Campinas poderá abater capivaras

Vinte animais contaminados com febre maculosa estão isolados. Funcionário de parque contraiu doença e morreu em 2010

AE |

selo

A Justiça decidiu que a Prefeitura de Campinas, no interior de SP, poderá abater as 20 capivaras confinadas no Lago do Café. A 2.ª Vara da Fazenda Pública de Campinas negou liminar à Associação Protetora da Diversidade das Espécies (Proesp) que pedia a suspensão do abate das capivaras. Parte dos animais está contaminada com febre maculosa.

De acordo com a decisão da Justiça, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) já havia autorizado o abate desde março de 2009, com o objetivo de preservar a saúde pública.

No entanto, a Prefeitura optou por isolar os animais e criar um centro de pesquisa para o controle da doença. A medida não surtiu efeito, e um funcionário que tratava dos animais morreu em outubro do ano passado.

De 2001 a 2010, outros dois funcionários do parque morreram de febre maculosa, transmitida pelo carrapato-estrela, presente nas capivaras. Um quarto funcionário também contraiu a doença, porém sobreviveu. O Lago do Café está restrito à visitação pública desde 2008.

Na decisão, a juíza Eliane da Camara Leite Ferreira destaca que as autoridades sanitárias já optaram pelo abate como única forma de acabar com o risco da febre maculosa no local. Ela destaca que não há ilegalidade no abate das capivaras que justifique a concessão da liminar. A Proesp ainda pode recorrer da decisão.

    Leia tudo sobre: abatecapivarascampinasfebre maculosa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG