"Marcelo Boy" foi condenado a 48 anos e oito meses de reclusão e "Junior Alemão", a 42 anos

selo

O 1º Tribunal do Júri de São Paulo condenou, nesta sexta-feira, dois supostos líderes do Primeiro Comando da Capital (PCC), organização criminosa que atua dentro e fora dos presídios do Estado. A dupla é acusada de promover "sessões de julgamentos" de outros membros da facção na zona sul da capital paulista. O julgamento durou três dias. 

Marcelo Costa de Melo, o "Marcelo Boy", foi condenado a 48 anos e oito meses de reclusão, e Oswaldo Correia da Silva Junior, o "Junior Alemão", a 42 anos de reclusão. Segundo o Ministério Público, o "tribunal" da facção na zona sul era formado por 11 criminosos. Além dos dois já condenados, outros dois integrantes do grupo estão identificados e um quinto foi preso recentemente. Ele deverá ser também julgado pelo crime. 

Para garantir os "julgamentos", de acordo com o MP, a facção criminosa sequestrava um familiar ou amigo de quem deveria ser "julgado" como forma de garantir a presença do acusado no "debate", modo como eram designados esses "julgamentos". Eles cobravam explicações do suposto traidor da facção. Se o "traidor" fosse condenado, era executado após longa sessão de tortura. Nesse caso, a pessoa sequestrada para garantir a presença do acusado no "julgamento" também era executada. Para dar publicidade de como eram tratados os traidores, seus corpos eram envoltos em pneus e incendiados em caçambas de automóveis e deixados em região onde a facção exercia o seu domínio. 

A acusação esteve a cargo do promotor de Justiça Mauricio Antonio Ribeiro Lopes, do 1º Tribunal do Júri da Capital. Os dois condenados já estavam presos antes da realização do julgamento.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.