Jovem se entregou à polícia nesta quinta e afirmou estar arrependido. Felipe Ramos de Paiva foi morto em maio, no estacionamento

O jovem Irlan Graciano Santiago, conhecido como Queiroz, 22 anos, pai de uma criança de 1 ano, se entregou à polícia nesta quinta-feira e confessou ter participado do  assassinato do estudante Felipe Ramos de Paiva, de 24 anos , no dia 18 de maio, no estacionamento da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. “Estou arrependido, pode falar para a família dele”, afirmou nesta tarde ao ser apresentado na Divisão de Homicídio do Departamento de Homicídio e de Proteção a Pessoa (DHPP).

Irlan disse que realizou o crime por problemas financeiros. Por enquanto, ele ficará em liberdade
Caio Buni/Futura Press
Irlan disse que realizou o crime por problemas financeiros. Por enquanto, ele ficará em liberdade
Santiago afirmou que não fez o disparo contra o estudante. Segundo seu advogado, Jeferson Badan, ele não tinha dinheiro para comprar alimentos para seu filho pequeno e decidiu, junto com um comparsa que havia conhecido 15 dias antes do crime, que roubaria um carro para vendê-lo em seguida e usar o dinheiro. Eles resolveram praticar o crime na USP por ser um "local bastante grande, com muito carro e pouca segurança", contou Badan.

Santiago não quis explicar como entrou na universidade. Lá dentro ele o comparsa abordaram uma mulher que estava em um carro modelo Ecossport, mas desistiram de assaltá-la após verem que ela tinha uma deficiência física. "Todo bandido tem ética", foi a frase do advogado Badan ao se referir a esse fato. Depois da desistência, os dois homens entraram no carro e obrigaram a mulher a dirigir pelo campus até escolherem outra vítima.

Segundo o advogado, seu cliente afirmou que ficaram dando voltas por cerca de uma hora sem serem notados por nenhum segurança até que avistaram Felipe no estacionamento. Durante a apresentação, Santiago explicou porque seu comparsa teria baleado o estudante após o anuncio do assalto. "Infelizmente ele [Felipe] reagiu. Deu dois socos na cara do meu parceiro."

O advogado ainda disse que os dois assaltantes deixaram a USP dentro do carro da mulher, que orientou o caminho. Por ter se apresentado e confessado o crime espontaneamente, Irlan não foi preso e poderá voltar para casa após dar todos os esclarecimentos."Estamos trabalhando dentro da lei. Meu cliente é réu primário, tem residência fixa, confessou espontaneamente. A lei favorece que ele responda em liberdade", afirmou Badan.

Questionado sobre a possibilidade de seu cliente fugir, o advogado apenas garantiu que Santiago responderá pelo crime que cometeu. "Ele sabe que vai pegar uma pena difícil, mas vai ter o atenuante da confissão espontânea."

Segundo o delegado Maurício Guimarães Soares, o jovem responderá por latrocinio e ainda não está decidido quando será feito o pedido de prisão preventiva do suspeito.

Segundo suspeito

"Já temos o esclarecimento quase total do crime", informou o delegado, em entrevista coletiva. Ele explicou que Irlan não denunciou o parceiro, mas que a polícia já tem informações sobre esse segundo suspeito e trabalha para prendê-lo.

O advogado Badan comentou o fato de seu cliente não ter contado aos policiais o nome do companheiro. "Todo cagueta ou morre na cadeia ou morre no bairro onde mora."

Irlan e se comparsa não são nenhum dos suspeitos que tiveram imagens e os retratos falados divulgados após o crime . "Vários criminosos atuam na USP", disse o delegado Maurício Guimarães Soares. As imagens divulgadas anteriormente são de outros suspeitos de praticarem roubos dentro da universidade.

Segurança na USP

Desde o crime, a segurança dentro do Cidade Universitária é tema de debates. Após o assassinato, o Conselho Gestor da USP decidiu encaminhar à reitoria um pedido para o desenvolvimento de um protocolo para definir a ação da Polícia Militar no campus. Uma nova reunião - ainda sem data definida - do conselho vai estabelecer as medidas práticas que serão tomadas para aumentar a segurança na Cidade Universitária.

Os professores, alunos e funcionários presentes ao encontro não aprovaram o aumento do efetivo da Guarda Universitária nem novas medidas para controlar o acesso ao câmpus. O Conselho Gestor é formado por representantes das unidades de ensino e pesquisa, institutos especializados e museus, além de representantes discentes e de servidores. 

Crime ocorreu por volta das 22h do dia 18 de abril
AE
Crime ocorreu por volta das 22h do dia 18 de abril

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.