Níveis pré-crise internacional ainda não foram atingidos, mantendo uma queda de 8,7% nos recursos

selo

Apesar do crescimento no caixa da cidade de São Paulo, os investimentos municipais em ações antienchentes ainda não retornaram aos níveis de antes da crise de 2008. No total, R$ 358 milhões foram contratados no ano passado para obras como canalização e limpeza de córregos, ações emergenciais e construção de piscinões e galerias pluviais, contra R$ 389,4 milhões em 2008 - queda de 8,7%.

Para o cálculo, foram usadas as principais rubricas de saneamento dos três últimos anos, disponíveis no sistema de execução orçamentária da Prefeitura. Os valores estão atualizados até 19 de dezembro do ano passado e foram corrigidos pela inflação no período - que, segundo o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), foi de 10,47%.

A principal queda nos investimentos se deve às obras de canalização de córregos. Enquanto R$ 144,5 milhões foram investidos em ações do tipo em 2008, no ano passado apenas R$ 36,2 milhões foram empenhados - 75% a menos. A situação, no entanto, deve mudar este ano: o Orçamento de 2011 da Prefeitura prevê R$ 681 milhões para obras antienchentes, um valor recorde.

Procurada pela reportagem, a Prefeitura utilizou outro período para analisar os investimentos e disse que eles "têm sido ampliados ano a ano". Em nota, a administração municipal afirma que os investimentos "mais que quadruplicaram" entre 2005 e 2010, passando de R$ 97 milhões para R$ 422 milhões, mas não mostrou quais foram as rubricas analisadas para chegar nestes números. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.