Inquérito sobre morte de menina atingida por jet ski vai para instância superior

Delegado geral da Polícia Civil de São Paulo explica que Seccional de Santos deve continuar investigações devido à 'complexidade do caso'

Fernanda Simas, iG São Paulo |

Arquivo pessoal
Grazielly morreu após ser atingida por jet ski em praia de Bertioga
A investigação sobre a morte da menina Grazielly, 3 anos, atingida por um jet ski no sábado de carnaval, que ocorria na delegacia de Bertioga deve ser finalizado pela Delegacia Seccional de Santos, uma instância superior. De acordo com o delegado geral da Polícia Civil do Estado de São Paulo, Marcos Carneiro Lima, isso se deve à “complexidade do caso”.

“Diante da repercussão do caso, que tomou nível nacional, ele [caso] ganha um aspecto diferente, que envolve até a instituição da Polícia Civil do Estado. Por uma questão técnica, e não política, uma estrutura superior vai dar continuidade às investigações, para que se tenha um trabalho de qualidade mais rigorosa”, explicou Carneiro.

Regras: Após acidentes com jet ski, Marinha muda regras para tirar habilitação

No Nordeste: Acidentes com jet skis causam ao menos uma morte por mês

Ele ressaltou que o inquérito não havia sido concluído pelo delegado Maurício Barbosa Júnior, de Bertioga, e que pela manhã a informação de que ninguém seria indiciado pelo crime havia vazado na imprensa. Depois de concluído, o inquérito é encaminhado ao poder judiciário.

O caso

Grazielly Lames estava na areia da praia de Guaratuba, em Bertioga, próxima ao mar, quando foi atingida pelo jet ski, por volta das 18h15 do sábado (18). A mãe da menina, Cirleide Rodrigues de Lames, de 24 anos, contou que a família do adolescente que estava pilotando o jet ski não prestou socorro.

Fuga: Mãe de adolescente que pilotava jet ski pode ser processada por fugir

Acusação: Para advogado da família de menina morta por jet ski, suspeito deve ir à 'Febem'

Segundo a polícia, câmeras de segurança do condomínio da praia onde estavam o garoto de 13 anos e a mãe registraram a saída dos dois após o acidente. Durante uma oitiva na Vara da Infância e da Juventude, o adolescente admitiu ter ligado e montado na embarcação .

Ainda não ficou claro se um adulto teria levado o jet ski até o mar e se o adolescente recebeu a permissão de alguém para pilotá-lo. Segundo o advogado da família de Grazielly, José Beraldo, uma das testemunhas disse ter visto um homem levando a embarcação até a praia, trafegando em um quadriciclo de cor vermelha, com um reboque que transportava o aparelho. O homem, segundo Beraldo, seria o caseiro Erivaldo Augusto Cardoso.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG