Hopi Hari fica fechado por mais dez dias para novas vistorias

Parque estava fechado desde o dia 5; Ministério Público pediu a prorrogação porque alguns brinquedos ainda não foram vistoriados

iG São Paulo |

DENNY CESARE/FUTURA PRESS/AE
Parque Hopi Hari deve continuar fechado por mais 10 dias
O parque de diversões Hopi Hari deve ficar fechado por mais 10 dias, a partir desta segunda-feira para vistoria. O Ministério Público de São Paulo pediu a prorrogação do prazo porque ainda faltam brinquedos para serem vistoriados.

A Polícia Científica iniciou as perícias no último dia 5 . Na ocasião, a assessoria do parque informou, por meio de nota, que 14 brinquedos foram selecionados para a vistoria. A escolha foi feita pelo Ministério Público, em parceria com o parque e inclui "vários gêneros de diversão oferecidos pelo Hopi Hari".

A vistoria foi pedida após a morte de Gabriela Nichimura, de 14 anos . Ela caiu do brinquedo La Tour Eiffel no dia 24 de fevereiro. A cadeira onde Gabriella sentou estava interditada há pelo menos 10 anos, segundo informou o próprio parque .

Esse brinquedo é uma réplica da Torre Eiffel. Conhecido como o 'elevador', ele possui 69,5 metros de altura com assentos que sobem a 5 metros por segundo. Os visitantes ficam parados por 2 segundos na altura de um prédio de 23 andares. Segundo o próprio parque, com o tranco do assento, os usuários despencam em queda livre chegando a 94 Km/h.

Na internet: Vídeos mostram cadeira onde Gabriella sentou desocupada

Acordo: Hopi Hari vai buscar acordo com família de Gabriella Nichimura

Processo: Imagem divulgada de menina morta no Hopi Hari pode gerar processo

Investigação: Responsabilidade não deve se limitar aos operadores do Hopi Hari, diz delegado

Ele possui cinco setores com quatro cadeiras em cada um. Dois setores estão desativados completamente. No setor 3, a primeira cadeira da esquerda para a direita de quem olha para o brinquedo estava inutilizada. O motivo seria a localização do assento, segundo o parque. Se uma pessoa alta sentasse ali, poderia esbarrar as pernas em estrutura metálica do brinquedo.

A cadeira não possuía nenhum aviso e ficava permanentemente travada. Naquele dia, por falha de manutenção assumida pelo parque, a trava abriu e permitiu que Gabriella se sentasse ali.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG