Guardas municipais são suspeitos de integrar grupo de extermínio em SP

Eles são suspeitos pelo homicídio de um traficante em Amparo, interior do Estado

AE |

selo

Três guardas municipais e um investigador de polícia foram presos em Amparo e Santo Antônio de Posse, região de Campinas, interior de São Paulo, suspeitos de integrarem um grupo de extermínio. As prisões ocorreram na madrugada desta sexta-feira durante operação conjunta da Corregedoria da Polícia Civil, Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público de São Paulo e Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (Garra) da Polícia Civil.

Em Minas: Polícia diz ter prendido um dos maiores assaltantes de banco do País

Segundo informou o Ministério Público, por meio de assessoria de imprensa, os quatro homens, que não tiveram seus nomes divulgados até a tarde desta sexta-feira, são suspeitos de envolvimento em um grupo que seria responsável pelo homicídio de um traficante de Amparo em fevereiro.

Nem a polícia nem o Gaeco informaram quantos mandados de prisão e de busca e apreensão foram e ainda serão cumpridos, mas informaram que durante a madrugada também foram apreendidas armas, munições e computadores nas duas cidades. Por meio da assessoria de imprensa da Secretaria do Estado da Segurança Pública, a Corregedoria informou que não divulga detalhes da operação para não atrapalhar as investigações.

A Prefeitura de Amparo, cidade na qual foram presos dois guardas e um investigador, informou que a Guarda Municipal instaurou sindicância para apurar o comportamento de seus integrantes detidos e, se houver provas de má conduta, serão tomadas as providências cabíveis. A reportagem não conseguiu contato com o comando da Guarda Municipal de Santo Antônio de Posse, onde um integrante da corporação foi detido.

    Leia tudo sobre: guardasgrupo de extermínio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG