Família de garoto que se matou quer pedir desculpas para professora

Em entrevista ao Fantástico, família disse ainda não entender suicídio. Aluno de 10 anos atirou contra professora e se matou depois na última quinta-feira (22)

iG São Paulo |

A família do aluno de 10 anos que atirou contra uma professora e depois se matou dentro da escola, em São Caetano do Sul, disse em entrevista ao Fantástico que deseja pedir desculpas para a professora baleada. "Queria dar um abraço nessa professora e pedir desculpas para a família", disse o guarda municipal Milton Nogueiro, pai do menor.

Sobre uma possível culpa pelo ocorrido já que a arma, um revólver calibre 38 utilizado na ação, pertence a Milton, ele disse não sentir culpa.  "Simplesmente aconteceu uma tragédia". O guarda municipal, que está afastado de suas funções, disse ainda que levou os filhos na escola e sem desconfiar carregou a mochila do filho de 10 anos.

Leia também: MP acompanha investigações sobre menino que atirou na professora

Durante a entrevista, Milton descreveu como reagiu ao sentir falta da arma em sua casa. Após questionar a mulher, Milton logo pensou na possibilidade de um dos filhos ter encontrado o revólver. "Pedi para a coordenadora da escola para ver os meus filhos. Perguntei sobre a arma e D. levantou as mãozinhas dizendo que não estava com ela. Eles nunca mentiram pra mim", contou emocionado.

A mãe de D.M.N também participou da entrevista. Visivelmente abalada, Elenice Nogueira disse que a arma sempre ficava descarregada na residência. "Naquele dia, único dia, infelizmente não estava [descarregada]". O suicídio da criança é ainda um fato não compreendido pela família já que D. "era uma criança calma, tranquila e estudiosa", contou a mãe.

A professora baleada, Rosileide Queiros Oliveira, de 38 anos, pode ter alta nos próximos dias. Na sexta-feira (23), ela deixou a UTI e foi para o quarto. Também foi atendida por um ortopedista porque estava se queixando de dor no joelho esquerdo. Foi constatada uma fratura na patela, que pode ter sido causada durante sua queda após o tiro.

Investigações

A delegada Lucy Mastellini Fernandes, do 3º Distrito Policial de São Caetano investiga o caso e já começou a ouvir o corpo docente da escola . A família do aluno deve ser ouvida essa semana, assim como a professora Rosileide.

    Leia tudo sobre: alunoprofessoramortesão caetano do sul

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG