Falso policial é preso extorquindo cantor sertanejo em São Paulo

Estelionatários afirmavam que ex-empresa da vítima era desmanche e pediram R$ 1 milhão para não denunciá-lo. Polícia acompanhou à paisana, mas um conseguiu fugir

AE |

selo

O estelionatário Guilherme Mozer de Souza, de 36 anos, foi preso, na noite de quarta-feira (29), em um posto de combustível, na Marginal do Tietê, próximo à ponte da Freguesia do Ó, zona norte da capital paulista, no momento em que encontrava a vítima, um dos integrantes de uma dupla sertaneja de São José do Rio Preto, interior paulista. 

Utilizando um distintivo da Polícia Civil, identificando-se como Denis e afirmando ser um investigador da Divisão de Investigações sobre Furtos e Roubos de Veículos e Cargas (Divecar), do Deic, Souza e um comparsa, que utilizou o prenome "Julião", supostamente também investigador da Divecar, foram, na última sexta-feira (24), em um Fiat Pálio Weekend vermelho, até a chácara do cantor, em Rio Preto. 

Prejuízo de R$ 600 mil: Polícia prende casal que dava golpe do terreno em São Paulo

AE
Guilherme Mozer de Souza, de 36 anos, foi preso em flagrante durante encontro com vítima em SP

"Eles buzinaram e se identificaram como policiais, mostrando o distintivo. Eu deixei eles entrarem. Um deles tinha uma arma na cinta e ficava mexendo nela a todo momento", contou o cantor, que não quis se identificar. Os estelionatários mostraram fotos de caminhões e da fachada da ex-empresa da vítima, de reforma de caminhões, alegando que haviam descoberto funcionar no local um desmanche.

"Eles pediram R$ 1 milhão para não me prender. Depois de negociar, baixaram para R$ 60 mil. Desconfiei, primeiro porque o esquema não existia, e depois porque eles diminuíram muito o valor pedido", afirmou a vítima. Eles então deram um número de telefone para marcar o ponto de encontro. 

Na quarta-feira, ao vir para a capital, o cantor procurou seu advogado, que conhecia os policiais Julião e Denis. Entraram em contato com o Deic e descobriram que eles haviam sido transferidos para o 69º Distrito Policial, de Teotônio Vilela, zona leste. O delegado titular do 69º DP, Antonio José Pereira, suspeitou da autenticidade dos policiais. "Não poderia ser o Julião e Denis pois eles estavam trabalhando no dia do encontro relatado", contou Pereira. 

Os policiais então instruíram o cantor a marcar um local para a entrega do dinheiro. De perto, mas à paisana, os policiais acompanharam o encontro entre Souza, o "Denis", e o cantor no posto Texaco localizado na pista local da Marginal do Tietê, sentido Castello, próximo à ponte da Freguesia do Ó, onde o estelionatário foi preso após descer do Fiat Pálio, mesmo carro utilizado pela dupla em São José do Rio Preto. 

Ao volante do Fiat estava o comparsa de Souza, que se passava pelo policial "Julião". O criminoso chegou a trocar tiros com os policiais civis, mas conseguiu fugir. O estelionatário preso foi autuado em flagrante no 69º DP por extorsão e uso ilegítimo de distintivo. Ele já tem passagem por estelionato em Minas Gerais. Como o distintivo usado pelo criminoso não possuía nome, a Polícia Civil não sabia se era falso ou não.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG