Estudo revela 'sistema industrial' de prisões em SP

Dificuldade de Justiça em diferenciar consumidores de traficantes de drogas faz com que 89% deles fiquem presos de forma incorreta, diz pesquisa

AE |

selo

Jovens entre 18 e 19 anos, a maioria pardos ou negros, são abordados por policiais militares nas ruas de São Paulo durante patrulhamento de rotina. Portam pequenas quantidades de drogas (média de 66,5 gramas), não usam armas e permanecem presos depois do flagrante. Em 89% dos casos, depois de detidos, eles acabam respondendo a todo o processo presos.

Leia também:
Banco de Injustiças: Novo site mostra que usuários de drogas são presos como traficantes
- Tratamento: Em meio à epidemia de crack, Brasil fracassa em tratamento para dependentes
- Zoom: As imagens da Cracolândia

A decisão de mantê-los detidos ocorre a partir de decisões padronizadas da Justiça, que não analisam as circunstâncias das ocorrências e por isso são incapazes de diferenciar traficantes de consumidores . A principal testemunha do flagrante é o próprio policial militar que faz a prisão. Só em 4% dos casos houve algum tipo de investigação.

Esse retrato de como a Justiça paulista lida com o tráfico de drogas é revelado no estudo Prisão Provisória e Lei de Drogas, feito por pesquisadores do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (NEV). A pesquisa tem como base 667 autos de prisão em flagrante de tráfico que passaram este ano pelo Departamento de Inquéritos Policiais e Polícia Judiciária (Dipo) de São Paulo. 

O objetivo do estudo foi compreender o caminho seguido pelo jovem preso em flagrante com entorpecente depois da Lei Antidrogas de 2006. "A partir do flagrante, ficou claro que as decisões seguem um movimento padrão que vai manter a pessoa na prisão. É um sistema quase industrial, que não leva em consideração as nuances da ocorrência", explica a socióloga Maria Gorete Marques de Jesus, que coordenou a pesquisa. 

Em 2006, a nova Lei de Drogas brasileira definiu que o consumo de entorpecentes não podia ser punido com prisão. Desde então, o total de presos acusados por tráfico de drogas não para de crescer. Em São Paulo, o aumento no período foi de 142%, com 42.849 presos por tráfico nos presídios em 2010. Já as prisões provisórias cresceram 49%.

    Leia tudo sobre: drogastráfico de drogas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG