Em São Paulo, homônimo de criminoso é libertado após engano

Além de ter o mesmo nome de homem que estuprou e matou a ex-mulher, as mães do dois homônimos também têm o mesmo nome

AE |

selo

O servente de pedreiro Reginaldo José da Silva, de 44 anos, preso por engano em 23 de março , foi libertado na tarde desta terça-feira, em Araraquara, no interior de São Paulo. Sua prisão ocorreu porque ele tem o mesmo nome de um homem acusado de matar a ex-mulher, em Maceió (AL), em 2000. As mães dos dois Reginaldos também têm o mesmo nome, Benedita Maria da Conceição. 

O juiz da 8ª Vara do Júri de Maceió, José Braga Neto, concedeu o alvará de soltura diante das evidências apresentadas pela defesa de Silva, que deverá ir à capital alagoana e conversar com o magistrado para comprovar o engano. 

O patrão de Silva contratou um advogado, que foi a Maceió apresentar documentações com as provas da inocência de seu cliente ao juiz. Silva poderá até entrar com pedido de indenização devido ao erro cometido. 

O verdadeiro autor do crime, que estuprou e assassinou a ex-mulher por estrangulamento, continua foragido. Os dois Reginaldos nasceram em Pernambuco, mas em cidades diferentes. O que reside em Araraquara nunca tinha ido a Maceió.

    Leia tudo sobre: homônimoararaquaraReginaldo José da Silva

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG