Dor crônica é mais frequente em pessoas com baixa escolaridade

Condições de vida, tipo de ocupação e acesso ao atendimento médico são prováveis causas da relação entre dor e escolaridade

Agência Brasil |

São Paulo - As dores crônicas afligem quase um terço da população da capital paulista. Segundo o Estudo Epidemiológico da Dor no município de São Paulo (Epidor), o mal é mais frequente entre as pessoas com menor escolaridade. O trabalho foi realizada pelo Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP) e patrocinado por um laboratório farmacêutico privado.

A coordenadora do estudo, Maria do Rosário Latorre, aponta as condições de vida, o tipo de ocupação e a facilidade do acesso ao atendimento médico como as prováveis causas da associação entre a escolaridade e a ocorrência de dor crônica. “São trabalhos que exigem algum esforço físico, ou estar exposto a alguma substância que dá dor de cabeça. Além disso, as pessoas com baixa escolaridade, geralmente, moram nesses bairros periféricos, pegam ônibus lotado e enfrentam muito mais problemas do que as pessoas que vão com o seu carro.”

De acordo com a pesquisa, a dor crônica atinge 28,1% dos 2.446 entrevistados para o estudo. O percentual aumenta para 33,7% entre os analfabetos e cai para 23,5% no grupo com 15 ou mais anos de estudo.

A ocorrência da dor constante também varia de acordo com a ocupação das pessoas. Segundo a pesquisa, o problema atinge mais os aposentados (36%), os autônomos (35,7%) e as donas de casa (33,3%).

A resistência em procurar tratamento é um ponto que chama a atenção, segundo Maria do Rosário. Entre as pessoas que sofrem com dores nos membros inferiores, 54,6% não buscaram nenhum tipo de atendimento. Entre as que têm dor nas costas, o percentual é de 45,1%.

“A questão da falta de tratamento é que você não sabe a origem dessa dor. Uma dor de cabeça pode ter várias origens, pode ser até uma coisa simples ou pode ser até um tumor. Se você não procura um tratamento adequado, pode estra agravando isso”, alertou a especialista.

Maria do Rosário destaca também a importância da existência de uma campanha de prevenção, voltada principalmente para as pessoas com menor escolaridade. Ela acredita que é necessário conscientizar essa parcela da população sobre hábitos cotidianos, como posturas inadequadas ou exposição a substâncias nocivas, que podem ser fontes de dores contínuas.

    Leia tudo sobre: Dor crônicapesquisa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG