A namorada do proprietário do veículo é acusada de atropelar o estudante Vitor Gurman na Vila Madalena em julho

selo

Frase
AE
Frase "Foi homicídio doloso" foi pintada na rua Natingui, onde jovem foi atropelado
Roberto de Souza Lima, dono do veículo Land Rover que atropelou o estudante Vítor Gurman na Vila Madalena , em julho deste ano, foi proibido pela Justiça de vender sua casa no Alto de Pinheiros, zona oeste da capital paulista. O pedido de indisponibilidade de bens foi feito pelos pais e avó da vítima. Segundo os autores, Lima estaria se desfazendo de seu patrimônio para se esquivar do pagamento de indenizações e pensão. O juiz Régis Rodrigues Bonvicino deferiu parcialmente o pedido, pois não tornou indisponível todo o patrimônio de Lima.

Leia também: Motorista de Porsche é indiciado por homicídio doloso

Na madrugada de 23 de julho, a nutricionista Gabriella Guerrero, de 28 anos, retornava de uma casa noturna com o namorado, o engenheiro Roberto Lima, 34 anos, proprietário do veículo, um Land Rover, quando, na Rua Natingui, perdeu o controle da direção e atropelou o administrador de empresas Vitor Gurman, de 24 anos. Após atropelar o rapaz, o veículo capotou. O jovem foi levado ao Hospital das Clínicas e ficou em coma por alguns dias. No dia 28, ele não resistiu e acabou morrendo.

No dia do acidente a nutricionista, que estaria alcoolizada, foi levada ao 14º Distrito Policial de Pinheiros e indiciada por lesão corporal e embriaguez ao volante. Após a morte de Burman, Gabriela compareceu à delegacia, no dia 5 de agosto, na companhia do advogado José Luiz Oliveira Lima e foi indiciada por homicídio doloso pelo delegado Ricardo Cestari. A nutricionista foi liberada para responder ao processo em liberdade e não teve a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) apreendida. Também não foi fixada nenhuma fiança.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.