Delegado quer me incriminar, diz ex-namorado de Mércia

Principal suspeito de assassinar advogada em SP chama delegado de incompetente e diz que é perseguido pela polícia

AE |

Um dia após a Justiça revogar seu pedido de prisão temporária, o advogado e policial militar reformado Mizael Bispo de Souza criticou o delegado da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Antônio De Olim. Olim é responsável pela investigação do assassinato da advogada Mércia Nakashima, ex-namorada de Bispo.

AE
Mizael Bispo de Souza ao deixar sua casa, em Guaraulhos (SP), na quinta-feira

Para o ex-PM, considerado pela polícia o principal suspeito do crime, o delegado Olim o persegue e transformou as investigações em algo pessoal. "O Olim quer se promover politicamente, se transformar em secretário de Segurança Pública. Ele não sai da televisão falando deste caso e fazendo acusações sem fundamento contra mim. O Olim é incompetente. Até agora, ele não conseguiu elucidar o caso", afirmou.

O ex-PM voltou a dizer que é inocente e disse que não se apresentou à polícia após a Justiça decretar sua prisão por considerá-la "arbitrária". "Sem fundamento, sem nenhuma prova contra mim. O doutor Olim agiu de forma arbitrária comigo. Ele me elegeu como único culpado pelo crime e foi em cima de mim o tempo todo".

Bispo deve se apresentar no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Guarulhos para novo depoimento na semana que vem , segundo informações do advogado dele, Samir Haddad Junior.

Na quinta-feira, policial reformado apareceu na porta da casa onde mora, em Guarulhos, após deixar de ser considerado foragido . "Ele vai retomar a vida normalmente, após ficar receoso de andar na rua", afirmou Haddad.

A prisão temporária contra Bispo foi decretada no último sábado, um dia após a prisão do amigo de Souza, o vigia Evandro Bezerra da Silva, de 38 anos. Detido em Sergipe, Silva afirmou à polícia que o ex de Mércia vinha planejando executar a advogada desde o início de maio por se sentir rejeitado. A advogada foi encontrada morta no dia 11 de junho em uma represa de Nazaré Paulista, no interior de São Paulo, após ficar 19 dias desaparecida.

Entrega de inquérito adiado

A polícia adiou a entrega do inquérito do caso, que estava previsto para ser feito hoje, segundo informações da Secretaria de Segurança Pública (SSP). Ainda não foi divulgada nova data para a entrega. De acordo com a direção do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), da Polícia Civil, o inquérito ainda está em andamento e as diligências continuam.

Entenda o caso

Mércia foi vista pela última vez no início da noite do dia 23 de maio, no bairro Macedo, em Guarulhos, na casa da avó. Depois que saiu de lá, não fez mais contato com amigos ou a família.

Mércia e Mizael foram sócios e namorados. Em entrevista ao iG , a irmã de Mércia, Claudia Nakashima, disse que o namoro dos dois foi marcado por idas e vindas e muitas brigas. Quando estava com ele “Mércia era outra pessoa”. “Ela não podia falar com ninguém, vizinhos do prédio até falam que quando ela estava sozinha no elevador cumprimentava; quando estava com ele, abaixava a cabeça”, diz Cláudia.

No dia do sumiço de Mércia, o advogado diz que foi visitar a filha e um irmão, com quem almoçou e, depois, saiu com uma garota de programa. Um fato que complica a situação de Bispo é que o rastreador do carro dele mostrou que das 18h40 às 22h38 ele ficou estacionado em frente ao estacionamento do Hospital Geral de Guarulhos, em uma rua a menos de cinco minutos da casa da avó de Mércia.

No dia 11 de junho, um pescador encontrou o corpo de Mércia boiando em uma represa de Nazaré Paulista. No mesmo local, um dia antes, homens do Corpo de Bombeiros de Atibaia já haviam localizado o veículo da vítima, com todos os pertences dela dentro.

*Com informações do iG São Paulo

    Leia tudo sobre: Mércia nakashimamizael bispoex-namoradoadvogada

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG