Delegado do caso Mércia promete inquérito em 10 dias

Antônio Olim, do DHPP, diz que vai entregar inquérito até o fim do mês e pedir a prisão de Mizael Bispo de Souza

AE |

AE
Principal suspeito de matar a ex-namorada, Mizael sorriu ao chegar ao DHPP e se disse "tranquilo"
O inquérito sobre o assassinato da advogada Mércia Nakashima, de 28 anos, deve estar concluído até o fim da próxima semana, segundo afirmou o delegado do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Antonio de Olim, que cuida do caso. "Vou relatar o inquérito até o fim do mês e pedir a prisão de Mizael Bispo de Souza", disse ele, citando o principal suspeito, o policial militar aposentado e ex-namorado da vítima.

Na terça-feira, Bispo depôs pela quarta vez no DHPP. De acordo com a polícia, no dia 23 de maio, dia do desaparecimento de Mércia, ele ligou 16 vezes para o vigia Evandro Bezerra da Silva , o que seria mais uma evidência do envolvimento deles no assassinato da advogada.

As chamadas foram feitas de um celular cadastrado em nome de outra pessoa, que Bispo não havia revelado ao DHPP a existência. Olim afirma que ele confirmou ser dono do aparelho.

“Ele ligava para Mércia de um número e para o Evandro deste outro”, acrescentou o promotor Rodrigo Merli Antunes, que acompanhou o interrogatório. “A última ligação foi do dia 23. Para despistar a polícia, assim que foi considerado suspeito, ele se desfez do aparelho”, completou o promotor.

O rastreamento do celular apontou que o policial não permaneceu no carro dele das 18h17 às 22h32 desse mesmo dia. As antenas revelam, segundo a polícia, que ele circulou por grande parte da cidade de Guarulhos no período. Segundo o advogado Samir Haddad Júnior,  Bispo negou no depoimento ter feito as 16 ligações.

Laudo

O delegado Olim recebeu na tarde de terça-feira, pouco tempo depois do depoimento de Bispo, os resultados do exame necroscópico realizado no corpo de Mércia. O laudo informa que a causa da morte foi afogamento.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP) do Estado de São Paulo, o exame revelou que a advogada recebeu um tiro que atravessou o braço esquerdo e atingiu o maxilar. Mas os médicos do Instituto Médico Legal (IML) de São Paulo constataram que essa não foi a causa da morte e Mércia Nakashima morreu afogada na represa de Nazaré Paulista, região metropolitana de São Paulo.

*Com informações do iG São Paulo

    Leia tudo sobre: mércia nakashimamizael bispoadvogada

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG