Defensoria quer garantir atendimento a famílias de Ribeirão Preto

Cerca de mil pessoas foram desalojadas em reintegração de posse realizada na última terça-feira (5)

AE |

selo

A Defensoria Pública de São Paulo em Ribeirão Preto ajuizou na última quinta-feira, 7, uma ação civil pública para que a prefeitura da cidade cadastre todas as famílias que foram retiradas da Favela da Família.

A ação pede ainda que as pessoas sejam direcionadas provisoriamente para as dependências de uma escola municipal perto ao local da favela, e que sejam fornecidos colchões, cobertores, vestuários, escovas de dentes, sabonetes, medicamentos, alimentação diária, água e energia elétrica. Cerca de mil pessoas foram desalojadas em reintegração de posse realizada na última terça-feira, 5. 

Os defensores públicos Aluísio Ruggeri Ré e Paulo Fernando de Andrade Giostri, que assinam a ação, também pedem que a prefeitura promova, em 30 dias, a locação de imóveis adequados ao acolhimento das famílias para acomodação permanente - ou que, alternativamente, pague às famílias uma bolsa de um salário mínimo até que elas recebam moradia adequada, por meio de programas habitacionais do município. 

De acordo com os defensores, a maior parte das famílias desabrigadas estão atualmente vivendo de forma indigna e irregular em outra área particular. Para eles, os cidadãos desalojados estão sendo privados dos direitos básicos constitucionais.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG