Corpos de mãe e filha atropeladas são enterrados em São Paulo

Miriam e Bruna Baltresca foram atropeladas na noite de sábado (17), em frente ao shopping Villa-Lobos. Motorista vai responder por homicídio doloso

iG São Paulo |

Os corpos de Miriam Baltresca, dona de casa de 55 anos, e Bruna Baltresca, advogada de 28 anos, foram enterrados na tarde desta segunda-feira no cemitério do Araçá, na zona oeste de São Paulo. Mãe e filha foram atropeladas na noite de sábado (17) em frente ao shopping Villa-Lobos, no Alto de Pinheiros.

AE
Familiares e amigos acompanham enterro de Miriam Baltresca e Bruna Baltresca, mãe e filha atropeladas em São Paulo

Durante o velório, Rafael Baltresca, filho de Miriam e irmão de Bruna, estava perplexo e pedia para que o atropelador, Marcos Alexandre Martins, 33 anos, respondesse pelas mortes. "Ele interrompeu a vida de uma mulher de 28 anos, que tinha tudo pela frente. Minha irmã era advogada, trabalhava com a Justiça, para fazer justiça. Espero que agora ela seja feita", disse, referindo-se à irmã.

“Não é com castigo que vamos resolver isso, mas com conscientização. O governo tem que fazer mais campanhas para mostrar que se dirigir embriagado, você pode sim matar alguém. É uma máquina em sua mão, quem for atingido não tem a menor chance”, completou na ocasião.

Homicídio doloso

O motorista do Golf preto Marcos Alexandre Martins vai responder por homicídio doloso, quando há intenção de matar. "Ele assumiu riscos ao dirigir em velocidade incompatível e ao ingerir álcool", disse Mauro José Arthur, delegado plantonista do 14° Distrito Policial, de Pinheiros, que registrou o boletim de ocorrência (BO). Martins estava a uma velocidade de 100 km/h, sendo que a velocidade máxima na via em que dirigia, Marginal Pinheiros, é de 70 km/h. Ele esteve no local do acidente para tirar fotos e considerou que o veículo “atingiu violentamente as vítimas”.

De acordo com o boletim de ocorrência, o impacto da batida foi tão forte que peças e acessórios do carro ficaram jogados a uma longa distância do local do acidente. Além disso, o documento aponta que um bombeiro que atendeu Martins relatou que ele estava com “cheiro de bebida alcoólica”. O teste do bafômetro não foi feito, mas foi realizado um exame de sangue que pode apontar a quantidade de álcool no sangue.

Atropelamento

Miriam e Bruna Baltresca foram atropeladas às 23h de sábado (17), enquanto caminhavam na calçada da via lateral da Marginal Pinheiros. Elas saíram do shopping Villa-Lobos e andavam em direção ao próprio carro quando foram atingidas pelo Golf. Miriam morreu na hora. Bruna foi levada para a Santa Casa gravemente ferida, não resistiu aos ferimentos e morreu.

O motorista do Golf foi preso em flagrante, realizou exames no Instituio Médico-Legal (IML) e deve ser transferido para o Centro de Detenção Provisória (CDP) do Belém.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG