Corpo de jovem morto em briga entre skinheads e punks é cremado

O Ministério Público de São Paulo vai acompanhar as investigação policiais sobre a briga que ocorreu no último sábado (3)

iG São Paulo |

Carlos Pessuto/Futura Press
Amigos e familiares acompanham cremação do corpo de Johni Raoni Falcão Galanciak, morto dem briga entre skinheads e punks
O corpo de Johni Raoni Falcão Galanciak, que morreu esfaqueado após uma briga envolvendo 70 pessoas contra skinheads no último sábado (3) , em frente ao Carioca Club, em Pinheiros, na zona oeste de São Paulo, foi cremado nesta manhã no Crematório Doutro Jayme Augusto Lopes, na capital paulista. O velório ocorreu no cemitério do Araçá.

Fábio dos Santos Medeiros, de 21 anos, outro ferido durante a briga, continua internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital das Clínicas e o estado de saúde dele é considerado delicado pelo Hospital. Ele teve um traumatismo crânio-encefálico e ainda respira com ajuda de aparelhos.

Ministério Público

A Procuradoria-Geral de Justiça determinou, na segunda-feira (5) que a promotora de Justiça Mildred de Assis Gonzalez, do Tribunal do Júri do Foro de Pinheiros, irá acompanhar as investigações policiais sobre a morte de Galanciak, até que o inquérito policial seja distribuído para um promotor natural.

Os donos do Carioca Club, onde os envolvidos estavam reunidos, afirmaram que pediram à Polícia Militar (PM) reforço para evitar o conflito, depois de acompanhar em redes sociais as ameaças de uma briga entre grupos rivais. A Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi) identificou a participação dos grupos de skinheads Front 88, Terror Holligan e Resistência Nacionalista e investiga a participação deles na morte de Galanciak.

* Com informações da AE

    Leia tudo sobre: skinheadspunksministério públicosão paulo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG