Disputa levou à morte do professor de jiu-jitsu Kaio Ribeiro, 23, em Campinas; soltura ocorre por pagamento de R$ 163, 5 mil

selo

Telefone público que era usado por Kaio César Alves no momento do acidente
AE
Telefone público que era usado por Kaio César Alves no momento do acidente
O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) concedeu nesta sexta-feira habeas corpus aos empresários Adriane Aparecida Pereira Diniz Ignácio de Souza, de 42 anos, e Fabrício Narciso Rodrigues da Silva, de 32 anos, envolvidos no racha que terminou com um acidente e a morte do professor de jiu-jitsu Kaio César Alves Muniz Ribeiro, de 23 anos, no dia 18 .

Segundo informou o TJ, por meio de assessoria, por decisão da 16ª Câmara de Direito Criminal a soltura dos empresários está condicionada ao pagamento de fiança de 200 salários mínimos (R$ 109 mil) para Adriane e 300 (R$ 163,5 mil), para Fabrício.

Kaio Ribeiro foi atropelado enquanto voltava para sua casa, na madrugada, após deixar a residência da namorada, Bruna Amaral. Ele foi atingido pelo Audi A3 da empresária Adriane Souza, que disputava um racha com o Camaro de Fabrício Silva. Segundo informações da Polícia Civil e da Secretaria de Estado da Segurança Pública de São Paulo, policiais militares viram dois veículos em alta velocidade, praticando a disputa ilícita na altura do bairro Cambuí. Em um curto intervalo, os policiais viram as luzes de freios dos carros acionadas. O Audi manobrou para a direita e um PM ouviu um forte impacto.

De acordo com a PM, o Audi bateu no orelhão ao lado do qual estava Kaio, invadiu uma empresa e atingiu um muro que fazia divisa com uma residência. Embaixo do portão da empresa, que havia sido arrastado com o impacto, a polícia encontrou o professor de jiu-jítsu, preso entre as ferragens. A PM acionou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e o resgate do Corpo de Bombeiros. A vítima teve três paradas cardíacas antes de ser levada ao pronto-socorro do Hospital Municipal Dr. Mário Gatti, onde morreu.

Adriane concordou em realizar o teste do bafômetro quatro horas após o acidente. O resultado foi 0,42 de miligrama de álcool por litro de ar expelido, número acima do permitido pela lei (0,3 de miligrama por litro).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.