Com atraso, motofaixa da Vergueiro é inaugurada

Motociclistas estão divididos sobre motofaixa. Obra foi inaugurada com atraso

Daniel Torres, iG São Paulo |

A faixa exclusiva para motos que vai do centro da capital paulista à região do Ibirapuera, na zona sul, começou a funcionar nesta quarta-feira. Fazendo o trajeto entre a Avenida Lins de Vasconcelos e a Praça João Mendes, seguindo pela Rua Vergueiro e a Avenida Liberdade, a chamada motofaixa tem 3,5 quilômetros de extensão de ambos os lados. A obra foi entregue com três meses de atraso - o secretário dos Transportes, Alexandre de Moraes, havia informado que a inauguração ocorreria em março.

Futura Press
Pistas de 3,5 KM criadas nos dois sentidos ligam a Vila Mariana à Sé

A motofaixa foi criada para ser um corredor de motos alternativo à avenida 23 de Maio. A Prefeitura já anunciou que vai aguardar um período de adaptação de até 90 dias. Depois, vai proibir a circulação de motos na avenida entre o antigo prédio do Detran e a Praça das Bandeiras.

O motivo para a proibição é a tentativa de aumentar a segurança no trânsito, uma vez que no ano passado a 23 de Maio foi a segunda via mais perigosa para os motociclistas, com um índice de 22,5 acidentes por quilômetro - a mais perigosa é a Marginal do Tietê (24,3). Os números da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) apontam que 1,3 mil motociclistas utilizam a 23 de Maio em cada um dos horários de pico. Todo esse fluxo deve ser direcionado para a faixa.

"A motofaixa é um avanço. Mas o que é errado é a avenida 23 de Maio ficar proibida para os motociclistas. Isso será um tiro no pé, um presente de grego. Não há em São Paulo uma outra via que faça o papel e a interligação que a 23 de Maio faz. Se fizerem isso vamos protestar com certeza", afirma o presidente da Associação Brasileira de Motociclistas (Abram), Lucas Pimentel.

De acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), a decisão de criar a segunda faixa exclusiva da cidade foi tomada a partir da avaliação positiva do desempenho da motofaixa da avenida Sumaré, criada no final de 2006. Segundo a CET, apesar do aumento de 60% do fluxo de motos na avenida, houve queda no número de acidentes. Essa nova motofaixa será a primeira de uma série de corredores exclusivos para motociclistas que a Prefeitura espera criar na cidade. Os outros estão em fase de estudo e os locais não foram divulgados.

Dados apresentados pela Secretaria Municipal de Transportes mostram que, além da queda registrada no número de acidentes com motos, o índice de acidentes envolvendo carros teve redução de 50%. Para a prefeitura, é a comprovação que a ausência de motos circulando entre os veículos melhora a segurança dos motociclistas e dos motoristas de carros.

A motofaixa do Eixo Vergueiro/Liberdade foi construída com o apoio da Secretaria Municipal de Coordenação das Subprefeituras e da Subprefeitura da Vila Mariana. Ela ocupa a faixa da esquerda, junto ao canteiro central, tem 2 metros de largura, de modo a permitir ultrapassagens, e conta com sinalização de acordo com os padrões de marcas e cores indicados no Código de Trânsito Brasileiro.

Para orientar os motociclistas, foram instaladas placas indicativas da nova Motofaixa ao longo de todo o Eixo Sul (Av. Moreira Guimarães, Av. Ascendino Reis, Rua Sena Madureira, R. Noé de Azevedo, Av. Domingos de Morais e Av. Ibirapuera.) e todo o Eixo Norte (Av. 23 de Maio,R. Sto. Amaro, R. Maria Paula, Vd. Dona Paulina e Av. Liberdade). Também foram instalados 14 novos conjuntos semafóricos, em 7 cruzamentos, 2.100 m² de pintura de solo, 550 metros de gradil e 387 placas.

Para viabilizar a motofaixa foram suprimidas as conversões à esquerda nos seguintes cruzamentos: tanto do sentido bairro/centro como do sentido centro/bairro junto à Praça Dr. Teodoro de Carvalho com implantação de contorno de quadra pela rua D. Júlia e rua Vergueiro; no sentido bairro/centro junto à rua Joaquim Távora com implantação de contorno de quadra pela rua Carlos Petit, Manuel de Paiva e rua Joaquim Távora; no sentido bairro/centro junto à rua Machado de Assis; no sentido bairro/centro junto à rua Dr. Nicolau de Souza Quieroz com implantação de contorno de quadra pela rua Jardim Ivone e rua Nicolau de Souza Queiroz ; no sentido bairro/centro junto ao viaduto Beneficência Portuguesa.

O presidente do Sindicato dos Motociclistas de São Paulo (Sindimoto), Aldemir Martins, afirma que a entidade vai recorrer à Justiça. "Obrigar uma pessoa a utilizar uma motofaixa porque proibiu a circulação em outra via é absurdo", diz. Ele critica a faixa da Vergueiro, afirmando que a via tem muitos semáforos e passa por locais com muitos pedestres. "Tem de ser em um corredor expresso, como a Radial e a Teotônio Vilela, para reduzir os acidentes."

Já o Sindicato dos Mensageiros de São Paulo tinha concordado com a proibição, mas após circular pela pista, o presidente da entidade, Gilberto Almeida dos Santos, acha que tanto o prazo para a proibição começar quanto a restrição precisam ser revistos. Entre as críticas de Santos estão os pontos de entrada e saída da motofaixa. "Dificilmente a motofaixa vai comportar o tráfego da 23.

* com informações da AE

    Leia tudo sobre: motofaixaSão Paulo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG