Ciclofaixa de Lazer transforma o cenário de congestionamento de São Paulo. Aos domingos, famílias pedalam por grandes avenidas

O paulistano está acostumado a ver grandes avenidas da cidade congestionadas. Mas aos domingos e feriados, entre 7h e 16h, a cena é outra. Crianças andam em bicicletas coloridas e adultos pedalam para se exercitarem na Ciclofaixa de Lazer.

Ciclistas atravessam rua em São Paulo, auxiliados por agentes de trânsito
Fernanda Simas, iG São Paulo
Ciclistas atravessam rua em São Paulo, auxiliados por agentes de trânsito

Ligando o Parque das Bicicletas, em Moema, zona sul da capital, ao futuro Parque Chuvisco, no bairro Campo Belo, a ciclofaixa tem 44 quilômetros de extensão. No último domingo (29), dia que ganhou sua mais recente ampliação, a média de público foi de cerca de 50 mil pessoas. Antes disso, a média era de 35 mil ciclistas, sendo que nos dias de calor passava para pouco mais de 40 mil, segundo a Secretaria Municipal de Esportes, Lazer e Recreação.

A reportagem do iG percorre alguns trechos da ciclofaixa e o que não falta é sinalização. O asfalto pintado de vermelho indica o local destinado às bicicletas, mas cones são colocados por agentes da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) para haver uma separação física dos carros. Além disso, 63 faixas com o horário de funcionamento são penduradas ao longo do trajeto e semáforos especiais para as bicicletas foram instalados em alguns cruzamentos, junto a placas que reforçam a atenção: “ciclista só atravesse no verde.”

A vendedora Fabiana Silva pedala no local sempre que não precisa trabalhar na manhã de domingo e se sente segura. “Eu trago meu filho para pedalar aqui e não preciso me preocupar. Ele se diverte e acha demais estar ao lado de tanto carro”, conta sorrindo, se referindo à intensa fiscalização.

Nos cruzamentos, ficam 44 agentes de trânsito com placas de “pare” orientando os motoristas e impedindo que carros façam conversões proibidas. Um agente que não quis se identificar explica que isso é comum. “Os carros ficam impacientes e fazem manobras proibidas. Às vezes atropelam ciclistas ou até pedestres.”

A CET informou que para melhorar a fluidez no trânsito de algumas avenidas, os semáforos são ajustados. Mas isso não impede que motoristas imprudentes desrespeitem as bicicletas. A reportagem acompanhava o movimento de ciclistas pela avenida Pedroso Moraes, região de Pinheiros, quando uma Kombi simplesmente ignora o sinal vermelho e atravessa um cruzamento. Não aconteceu um acidente, mas alguns ciclistas se assustaram e o agente da CET que estava no local logo tira o bloco do bolso e anota a placa do veículo.

SOS Bike atende, gratuitamente, quem precisar consertar a bicicleta
Fernanda Simas, iG São Paulo
SOS Bike atende, gratuitamente, quem precisar consertar a bicicleta
Para consertar a bicicleta

Um diferencial na ciclofaixa da cidade de São Paulo resulta de uma parceria com a iniciativa privada. Os SOS Bike são tendas instaladas dentro dos parques das Bicicletas e do Povo onde são oferecidos serviços gratuitos de conserto e manutenção para qualquer ciclista que necessitar.

Durante dez minutos dentro do Parque das Bicicletas, a reportagem vê seis pessoas pararem na tenda. Todos pediam para encher os pneus e duas crianças pediram para que o banco fosse ajustado – estavam muito altos para elas.

Funcionamento em dia de semana

No último dia 18, o prefeito de São Paulo Gilberto Kassab adiantou ao iG que as ciclofaixas de lazer que funcionam aos domingos e feriados desde agosto de 2009, funcionarão durante um dia de semana todo mês . A intenção, segundo ele, é que “durante a semana, o paulistano comece a conviver com a ideia de ter uma ciclovia na cidade mais ampliada”. Atualmente, a cidade tem 35,7 quilômetros de ciclovias que funcionam todos os dias.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.