Cetesb pede novas investigações de áreas contaminadas por lixão em SP

Estabelecimentos como Expo Center Norte e lojas Decathlon têm o prazo de 45 dias para apresentarem novos relatórios

iG São Paulo |

A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) solicitou às empresas localizadas na área dos antigos depósitos de lixo da zona norte e à Prefeitura de São Paulo uma investigação confirmatória sobre a condição do chamado complexo Carandiru. A intenção é investigar se há outros estabelecimentos em risco devido a um possível vazamento do gás metano no complexo.

Segundo o órgão, por meio de nota, o pedido foi enviado no último dia 11 ao Expo Center Norte, Novotel, lojas Decathlon e Lenços Presidente e à Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (Comdec) e ao Instituto de Previdência Municipal (Iprem). Todos terão o prazo de 45 dias para apresentarem relatórios com os dados técnicos da região.

Leia também: Justiça suspende remoção de moradores de Cingapura

Com base em levantamento aéreo da região, a Cetesb informou que as áreas onde estão localizadas a sede da Delegacia Geral de Polícia (Deic) e o Termina Rodoviário Tietê não são tratadas como suspeitas. “Entretanto, a agência ambiental aguarda o envio, por parte da prefeitura, das informações já solicitadas sobre a localização de antigos depósitos de lixo na região, para providenciar o complemento das investigações”, diz a nota.

Oslaim Brito/Futura Press
Moradores protestam contra interdição de conjunto habitacional da avenida Zaki Narchi

Center Norte e Cingapura

Há pouco menos de um mês, a agência ambiental notificou o Shopping Center Norte pela alta presença do gás metano e pediu que fosse instalado um novo sistema de extração de gases. Como a Cetesb não é responsável pelo licenciamento do local, o órgão comunicou a situação de emergência à Secretarias de Controle Urbano e ao Ministério Público (MP), que pediu a interdição do estabelecimento.

No dia 27 de setembro, a Prefeitura de São Paulo acatou a orientação do MP e determinou a interdição do shopping . Segundo a prefeitura, o complexo havia entrado em uma lista de "Áreas Contaminadas Críticas" da Cetesb. Após última vistoria da agência ambiental, realizada no último dia 6, quando o estabelecimento apresentou as obras realizadas para instalação de drenos, a prefeitura suspendeu a interdição .

Quatro dias depois da situação do Center Norte estar aparentemente resolvida, a Justiça de São Paulo determinou a interdição e a remoção das famílias do conjunto habitacional Cingapura Zaki Narchi. A decisão cabia recurso e a prefeitura apresentou pedido de reconsideração dizendo ter “em vista as medidas realizadas para minimizar os efeitos do gás no local e não havendo risco imediato à população”.

Houve protesto dos moradores contra a decisão do juiz. Eles queimaram latões de lixo e interditaram a avenida Zaki Narchi manifestando contra a medida judicial. No dia seguinte, no dia 11 deste mês, o juiz suspendeu sua decisão dizendo que “as medições da Cetesb não indicaram a presença do gás metano em qualquer área confinada do conjunto habitacional”.

    Leia tudo sobre: lixãogás metanocetesbcenter nortecingapura

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG