Casal gay se diz vítima de agressão na avenida Paulista

Um operador de telemarketing e um estudante afirmam que foram agredidos na madrugada de ontem

iG São Paulo |

Um operador de telemarketing e um estudante afirmam que foram agredidos na madrugada de ontem, na altura do número 1.500 da Avenida Paulista, em São Paulo. Os jovens de 28 anos disseram à Polícia Militar que foram atingidos porque estavam namorando no local.

A polícia atendeu ao chamado de agressão por volta das 5h e levou os dois para o pronto-socorro Vergueiro. O estudante permaneceu no posto médico em observação. 

O caso foi registrado no 5º Distrito Policial, da Aclimação, e as vítimas ainda serão ouvidas. Segundo a Secretaria da Segurança Pública, ninguém foi preso e ainda não há suspeitas sobre os autores da agressão.

Outro caso

nullNa manhã do dia 14 de novembro, um grupo de cinco jovens (quatro menores de idade e um maior identificado como Jonathan Lauton Domingues, de 19 anos), foi acusado de agredirem ao menos quatro pessoas na avenida Paulista.

Segundo a 5ª DP, onde o caso foi registrado, o grupo realizou o primeiro ataque contra dois rapazes por volta das 6h30. Um deles ficou com vários ferimentos no rosto depois de ser agredido com duas lâmpadas fluorescentes usadas como arma. Ele foi levado para o Hospital Oswaldo Cruz.

O segundo ataque foi logo depois, contra outro rapaz, que não sofreu ferimentos e não precisou de atendimento médico. As pessoas agredidas têm entre 20 e 23 anos, segundo a polícia. De acordo com o boletim, uma quarta vítima ouviu gritos de um indivíduo também na Paulista vindo em sua direção. Esse indivíduo, de acordo com o relato, começou a dar socos e chutes na vítima sem falar nada.

No dia 23 novembro, a 1ª Vara da Infância e Juventude de São Paulo decretou a internação provisória dos quatro adolescentes envolvidos nas agressões. De acordo com a promotora da Infância e da Juventude Ana Laura Lunardelli, os quatro adolescentes respondem a processo internados na Fundação Casa. Todos devem ser julgados por uma tentativa de homicídio, duas lesões corporais e um roubo.

A pedido do Ministério Público Estadual (MPE), o juiz Eduardo Pereira Santos Júnior, do Departamento de Inquéritos Policiais (Dipo) do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), encaminhou a uma das Varas do Júri o inquérito policial de Jonathan. Ele foi indiciado por tentativa de homicídio, formação de quadrilha e lesão corporal.

*Com informações da Agência Estado

    Leia tudo sobre: agressãogaypaulistahomossexualpreconceitoviolência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG