Casal e piloto morrem em queda de balão em São Paulo

Acidente ocorrido no sábado com dois balões fez três vítimas fatais e deixou 14 feridos

Carina Martins, enviada a Boituva (SP) |

A queda de dois balões ocorrida no último sábado (30) em Boituva, interior de São Paulo, deixou 14 pessoas feridas e matou o piloto Antonio Carlos Giusti e o casal Daniela Gonçalvez Ciarollo e Franklin Ciarollo, ambos de 31 anos, que fazia um passeio. O acidente é o primeiro com balões a provocar morte no Brasil.

Os corpos de Daniela e Franklin Ciarollo foram liberados do Instituto Médico Legal de Itapetininga e serão velados na tarde deste domingo em Barueri, cidade onde as vítimas moravam. O enterro está marcado para acontecer na segunda-feira, às 8h. O casal deixa dois filhos gêmeos, um menino e uma menina, de 2 anos de idade.

Segundo o balonista Johnny Alvarez, de 37 anos, que pilotava outro balão no dia do acidente, uma forte rajada de vento foi a causa da queda. Alvarez, dono da empresa de balonismo Johnny do Balão, conseguiu pousar num campo e foi resgatado com dois amigos. "A frente fria se antecipou à previsão e nos pegou de surpresa", disse.

Alvarez contou que os balões se aproximavam do ponto de pouso, quando foram arrastados pelo vento. No total, tinham decolado do Centro de Paraquedismo oito balões, segundo ele, mas apenas três - o dele e os dois que caíram - foram apanhados pela rajada.

De acordo com Alvarez, o piloto Antonio Carlos Giusti, uma das vítimas, era muito experiente. Os balões que caíram em um campo e em uma usina da rodovia Castelo Branco, altura do km 112, tinham oito pessoas a bordo e nove, respectivamente.

nullEntre os feridos estão a produtora da Rede Record Maria do Carmo Santos e seu marido, Claudio Santos. Segundo Vera Lucia Horn, amiga do casal, Maria do Carmo foi transferida do Hospital Sanatorinho, em Itu, para o Hospital Santa Catarina, em São Paulo.

Claudio foi levado ao Hospital Regional de Sorocaba, mas passa bem. "Ele está conversando. Estamos mais preocupados com ela, pois ainda não foi dado um diagnóstico", diz.

P adre morreu ao tentar bater recorde

Em 20 abril de 2008, o padre Adelir de Carli desapareceu quando tentava bater o recorde de permanência no ar amarrado a balões de gás hélio. O objetivo, quando saiu de Paranaguá, no Paraná, era pousar em Dourados, no Mato Grosso do Sul, após 20 horas no ar. Atrapalhado por fortes ventos que o desviaram do percurso, o padre acabou se deslocando para o mar e teria caído a 40 quilômetros da costa, em São Francisco do Sul, Santa Catarina. Seu corpo foi encontrado em 3 de julho, a 100 quilômetros da costa de Maricá, no Rio de Janeiro.

* Com informações da Agência Estado.

    Leia tudo sobre: balãoacidentequeda de dois balõesmortes

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG