Trabalhadores autônomos decidiram normalizar entrega de combustível a partir de quinta; Polícia Militar afirma que fará escoltas

Caminhões que saem das bases de distribuição de combustível já são escoltados pela PM
AE
Caminhões que saem das bases de distribuição de combustível já são escoltados pela PM
Os caminhoneiros autônomos que distribuem o combustível na Grande São Paulo decidiram voltar ao trabalho a partir desta quinta-feira (8). Mas, para que isso ocorra, exigem a proteção por parte da Polícia Militar (PM) para cada caminhão que sair das bases de distribuição, no trajeto de ida e volta.

O Sindicam-SP (Sindicato dos Transportadores Autônomos de Bens do Estado de São Paulo) informou que enviou um ofício ao comandante geral da PM, coronel Álvaro Batista Camilo, solicitando a segurança. Os caminhoneiros estavam paralisados desde segunda-feira (5).

A decisão foi tomada após uma reunião entre dirigentes das entidades que representam os caminhoneiros autônomos. O Sindicam-SP argumentou que a segurança é necessária pois pessoas que não fazem parte da categoria “estão infiltradas causando vários incidentes e danos aos veículos, aos seus condutores”.

Em nota, a Polícia Militar informou que dará todo o apoio ao Sindicam-SP e aos trabalhadores. "As escoltas continuarão como vem sendo feitas desde segunda-feira, em comum acordo com todos os segmentos dos canais de distribuição de combustível". O comunicado pede a colaboração do sindicato e dos transportadores autônomos para evitar incidentes. "Temos certeza do comprometimento desses profissionais para com a sociedade paulista".

Prisões: Quatro gerentes de postos são presos por preços abusivos em São Paulo

Coluna: Procon-SP recebeu 42 denúncias de preços abusivos de combustível

Escoltas: PM garante escoltas, mas caminhoneiros têm medo de represália

Mais cedo, os presidentes dos sindicatos representantes das distribuidoras e postos de combustível de São Paulo disseram que a partir do retorno do abastecimento, há uma expectativa de que a situação se normalize em um prazo máximo de oito dias .

* Com informações da AE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.