Caminhoneiros encerram greve mas exigem PM para sair da base

Trabalhadores autônomos decidiram normalizar entrega de combustível a partir de quinta; Polícia Militar afirma que fará escoltas

iG São Paulo |

AE
Caminhões que saem das bases de distribuição de combustível já são escoltados pela PM
Os caminhoneiros autônomos que distribuem o combustível na Grande São Paulo decidiram voltar ao trabalho a partir desta quinta-feira (8). Mas, para que isso ocorra, exigem a proteção por parte da Polícia Militar (PM) para cada caminhão que sair das bases de distribuição, no trajeto de ida e volta.

O Sindicam-SP (Sindicato dos Transportadores Autônomos de Bens do Estado de São Paulo) informou que enviou um ofício ao comandante geral da PM, coronel Álvaro Batista Camilo, solicitando a segurança. Os caminhoneiros estavam paralisados desde segunda-feira (5).

A decisão foi tomada após uma reunião entre dirigentes das entidades que representam os caminhoneiros autônomos. O Sindicam-SP argumentou que a segurança é necessária pois pessoas que não fazem parte da categoria “estão infiltradas causando vários incidentes e danos aos veículos, aos seus condutores”.

Em nota, a Polícia Militar informou que dará todo o apoio ao Sindicam-SP e aos trabalhadores. "As escoltas continuarão como vem sendo feitas desde segunda-feira, em comum acordo com todos os segmentos dos canais de distribuição de combustível". O comunicado pede a colaboração do sindicato e dos transportadores autônomos para evitar incidentes. "Temos certeza do comprometimento desses profissionais para com a sociedade paulista".

Prisões: Quatro gerentes de postos são presos por preços abusivos em São Paulo

Coluna: Procon-SP recebeu 42 denúncias de preços abusivos de combustível

Escoltas: PM garante escoltas, mas caminhoneiros têm medo de represália

Mais cedo, os presidentes dos sindicatos representantes das distribuidoras e postos de combustível de São Paulo disseram que a partir do retorno do abastecimento, há uma expectativa de que a situação se normalize em um prazo máximo de oito dias .

* Com informações da AE

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG