Atuação da polícia atinge mais pequenos traficantes, diz estudo

Pequenos usuários são os mais atingidos durante operações policiais. Apenas 7% entre 2.239 foram presos com mais de 100g de maconha

Agência Brasil |

Uma pesquisa do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (USP) mostrou que os pequenos traficantes ou os usuários de drogas são mais reprimidos pela polícia do que os grandes traficantes. O levantamento, feito no Estado de São Paulo a partir da análise de 667 autos de flagrante de tráfico de drogas, constatou que a média das apreensões ficou em 66,5g de drogas.

Em meio à epidemia de crack, Brasil fracassa em tratamento para dependentes

Em apenas 7% das 2.239 apreensões observadas os acusados portavam mais de 100 gramas de maconha, e em apenas 6,5% estavam com a mesma quantidade ou mais de cocaína. A pesquisa ouviu 71 profissionais do sistema de Justiça Criminal (promotores, delegados, juízes, e defensores públicos) das cidades de São Paulo, Santos e Campinas.

Zoom: As imagens da Cracolândia em São Paulo

“Muitos dos nossos entrevistados disseram ter a sensação de enxugar gelo. Ou seja, de fato, essa política repressiva [aos pequenos traficantes ou usuários] não tem resultado no combate efetivo ao tráfico de drogas. Se esse é o objetivo, esse objetivo não está sendo alcançado”, diz a coordenadora da pesquisa, Maria Gorete Marques de Jesus.

AE
USP revela que pequenos uuários são os mais atingidos. Na foto, região da Cracolândia em SP (22/07)

Quanto ao registro de antecedentes criminais dos detidos por tráfico, a pesquisa mostrou que 57% dos acusados não apresentavam antecedente e que 43% apresentaram algum registro, dos quais 17% haviam sido processados por crime de tráfico. O estudo verificou ainda que 84% das pessoas apreendidas não contaram com a assistência de advogado no momento da prisão.

Como não há defensores públicos nos distritos policiais, somente acusados que puderam contratar um advogado particular foram defendidos judicialmente no momento seguinte à prisão. Entre o que foram assistidos pela Defensoria Pública (61% dos casos), o contato com os defensores públicos demorou, em média, entre três e cinco meses para ocorrer.

“Mesmo que o detido seja apenas um usuário, ele só vai ter, meses depois, possibilidade de defesa, para poder dizer para o juiz que ele, na verdade, estava com a droga para consumi-la e não para traficar”, ressalta a coordenadora.

    Leia tudo sobre: tráfico de drogastraficantescracolândiamaconhacocaína

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG