Família foi mantida refém em casa na zona sul da capital. Violentos, os criminosos buscavam pelo cofre da residência

selo

Ameaçada por quatro assaltantes que invadiram sua casa, uma família foi mantida refém por volta das 22h de quarta-feira (10), no sobrado de classe média localizado no Jabaquara, zona sul da capital. Um dos bandidos foi detido no Hospital Alvorada, ferido após trocar tiros com a Polícia Militar (PM). 

O pai da família chegava em casa, de carro, quando foi abordado pelos criminosos, que desceram de um Hyundai ix30, todos armados com metralhadoras, fuzis e pistolas, segundo as vítimas. Eles o obrigaram a entrar e, na casa, renderam ainda a filha M.M, de 23 anos, e seu noivo, além da mãe. Dois deles permaneceram do lado de fora, vigiando a rua. "Perguntavam a todo momento onde estava o cofre, onde estava o dinheiro, mas não temos cofre", contou M.M. Irritados, os bandidos pegaram uma faca e ameaçaram cortar o dedo mínimo do noivo. 

De acordo com as vítimas, a todo momento os assaltantes diziam que se não cooperassem os matariam. "Estamos acostumados a assaltar mansão, se precisar metemos bala", falaram para a família. Levado para o andar de cima, o pai recebeu uma coronhada dos criminosos na cabeça. Um casal que passava pela rua também foi feito refém, além de um rapaz, que foi obrigado a encher o Hyundai com os objetos roubados - televisão, notebook, joias e celulares.

Vizinhos ouviram o barulho e ligaram para a polícia. Quando uma viatura chegou no local, os criminosos dispararam contra os policiais militares, que revidaram. A viatura da PM recebeu diversos tiros, mas nenhum policial se feriu. Os bandidos fugiram de carro. Toda a ação, entre o assalto e o tiroteio, durou cerca de 15 minutos. 

Mais tarde um dos assaltantes foi deixado, ferido, no Hospital Alvorada, onde acabou preso. Os criminosos abandonaram o ix30 cerca de 1,5 quilômetro adiante da casa assaltada, na Rua Joaquim da Rosa, perto da favela Alba. Havia sangue no banco do passageiro. O caso foi encaminhado ao 27º Distrito Policial.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.