Protesto é contra a construção de uma avenida que destruiria parte do Parque Previdência

selo

A Associação dos Moradores Amigos do Parque Previdência (Amapar), no Butantã, com ajuda de intelectuais e músicos que moram na região, promovem de hoje até o dia 26 eventos em comemoração ao aniversário de 31 anos do parque, localizado entre a Rodovia Raposo Tavares e a Avenida Eliseu de Almeida, na zona oeste da capital paulista. A ocasião também servirá como um ato de defesa da área de cerca de seis hectares de Mata Atlântica, o equivalente a seis campos de futebol, contra o avanço desordenado do setor imobiliário.

A Prefeitura de São Paulo planejava construir um túnel sob o parque para interligar a Avenida Eliseu de Almeida com a Corifeu de Azevedo Marques. A obra, porém, destruiria parte da área. Chegou a anunciar a desistência do projeto no início de setembro, mas ainda não a de uma avenida. O túnel passaria sob o Parque da Previdência e sobre a Praça Elis Regina desembocando na Escola Municipal Amorim Lima.

O movimento afirma que, se realizada, a obra iria na contramão do que se pratica hoje no mundo "e traz, segundo o primeiro estudo de impacto ambiental, um risco a sua vegetação e rede hídrica e, portanto, comprometendo a sua existência e causando grande deterioração ao entorno". Transformado em parque municipal no fim da década de 70, o Parque Previdência é um fragmento de Mata Atlântica e recebe cerca de 700 pessoas durante o final de semana.

Hoje, a partir das 15h, terá início um show de música popular com Ná Ozetti, José Miguel Wisnik, Luiz Tatit, Vange Milliet e Banda Odegrau no gramado ao lado da administração do parque. Amanhã, das 14h às 16h, Dança Circular e Rodas de Estórias. E de terça até o dia 26, a programação oferece oficinas de artes plásticas, plantio de novas mudas de espécimes da Mata Atlântica, entre outras atividades culturais e ambientais.

Ressonância

O músico José Miguel Wisnik, que mora há 38 anos à beira do parque, alerta que a expansão dos interesses imobiliários deve respeitar a riqueza natural do lugar. "O que esse evento evidencia é que a população do bairro, com artistas que moram aqui e pessoas com várias atividades ligadas à cultura, está se mobilizando. E a música entra nisso, pois é a linguagem que tem uma grande capacidade de agregar. O som tem esse poder", afirma.

Ele também é autor do livro "Som e o Sentido: Uma outra história das músicas", que relata como o homem vem usando o som ao longo do tempo e, sob essa perspectiva, a história da própria música. "Curiosamente, um livro todo escrito à beira do parque", lembra ele, devido à localização de sua residência.

Para Wisnik, "de fato há ressonância da música das pessoas que moram no bairro com o parque, o jardim, a região, a cidade e o mundo". "E vamos em escalas como numa série harmônica. Sabemos que essas batalhas fazem parte de uma batalha global, em analogia ao som, com ressonância maior", completa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.