Após um ano da morte de Mércia, família tenta superar dor e medo por ameaças

Família da advogada Mércia Nakashima tem esperança de que Mizael, acusado do crime, seja preso

iG São Paulo |

Nesta segunda-feira (23), fará um ano que Mércia Nakashima foi morta. A família realiza missas em memória da advogada durante o final de semana. Nesta segunda-feira, haverá um ato público na Câmara Municipal da cidade de São Paulo, a partir das 19h.

Arquivo pessoal
Mércia Nakashima (de azul) morreu afogada após ser baleada
O irmão de Mércia, Márcio Nakashima, em conversa ao iG,  contou que continuou recebendo ameaças em três ocasiões depois do acidente de carro que sofreu junto com a mãe Janete Nakashima, na noite do dia 23 de janeiro, quando foram supostamente seguidos por uma moto .

“Agora a situação é mais tranquila, mas eu tenho só atendido telefonema de quem conheço e saio do trabalho e fico em casa. Não tenho mais vida social”, explica Márcio. Ele explicou que a irmã Cláudia e a mãe estão se recuperando da dor. Apesar disso, lamenta: “com a proximidade da data, minha mãe piora.”

Segundo Márcio, a família tem esperança de que Mizael Bispo de Souza, policial militar reformado acusado pela morte de Mércia, seja preso. Ele teve a prisão decretada no dia 7 de dezembro de 2010, mas está foragido.

O advogado de Mizael, Samir Haddad, alega que o cliente não fez nenhuma ameaça à família de Mércia e que, portanto, o pedido de prisão foi arbitrário. “Ele só não se apresenta porque protesta contra essa prisão arbitrária e tem medo de a imagem dele preso arruinar sua carreira”, afirmou ressaltando que tem a tese de que viciados em drogas tenham cometido o crime.

Haddad aguarda o posicionamento do Superior Tribunal de Justiça (STJ) sobre dois pedidos de habbeas corpus. Um se trata da liberdade de Mizael e o outro pede que o processo ocorra em Nazaré Paulista, local em que aconteceu o crime, e não mais em Guarulhos. Caso esse último habbeas corpus seja concedido pelo STJ, a prisão de Mizael será anulada porque todo o processo precisa recomeçar.

O caso

Mércia foi vista pela última vez no dia 23 de maio de 2010, na casa da avó, que fica no bairro Macedo, em Guarulhos. Depois de sair de lá, não fez mais contato com amigos ou a família. No dia 10 de junho, o veículo dela foi encontrado em uma represa de Nazaré paulista e no dia seguinte, um pescador encontrou o corpo dela boiando na mesma represa.

AE
Mizael Bispo de Souza está foragido desde o dia 7 de dezembro de 2010
De acordo com o laudo do Instituto Médico Legal (IML), Mércia morreu afogada depois de ter sido ferida por disparo de arma de fogo no braço esquerdo, na mão direita e no maxilar.

Mizael é acusado pela morte da ex-namorada e foi denunciado por homicídio triplamente qualificado (motivo torpe, emprego de meio cruel e mediante recurso que dificultou a defesa da vítima) e ocultação de cadáver. Ele e Mércia eram sócios em um escritório de advocacia e namoraram por cerca de quatro anos. Na época do crime, a família da vítima explicou que após o rompimento, ele ficou inconformado e passou a perseguir Mércia.

O vigia Evandro Bezerra Silva, foi considerado pela polícia como comparsa de Mizael, responde pelos mesmos crimes – mas sem a qualificadora de motivo torpe – e também está foragido. A foto dos dois está na página de foragidos do site da Polícia Civil .

    Leia tudo sobre: caso MérciaMizaelfamíliaum anomorteadvogado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG