Após reabertura, Center Norte volta a lotar

Shopping fez de tudo para atrair a clientela no 1º sábado de funcionamento após ficar dois dias interditado para instalação de drenos

AE |

selo

Teve banda de música, fotógrafo, distribuição de pirulitos e de balões de gás (hélio). O shopping Center Norte fez de tudo para atrair a clientela no primeiro sábado de funcionamento após ficar dois dias fechado. O local foi lacrado pela Prefeitura de São Paulo após a constatação que há "risco potencial" de explosão causado pelo acúmulo de gás metano no subsolo.

Leia também: MP determina remoção de moradores de conjunto habitacional

AE
Praça de alimentação volta a ter movimento no sábado. Lojistas ainda sentem diferença nas vendas


Aparentemente, o fluxo de pessoas, que chega a 120 mil em cada dia do fim de semana, estava normalizado. "Pra mim, havia algum exagero em tudo que se noticiou sobre a explosão. Se não, pensa bem, eles teriam de interditar toda a Vila Guilherme, o Parque do Trote, até o Deic (Departamento de Investigações sobre Crime Organizado). Tudo foi sendo ocupado em cima de lixão", acredita coordenadora de telemarketing Andréa Strafaci, de 39 anos, há duas horas circulando pelo shopping. 

O local havia sido interditado para cumprir a exigência de instalação de um sistema de 11 drenos para tirar o gás do subsolo. Na quarta-feira, técnicos da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) constataram que o sistema funcionava. Na quinta, a companhia suspendeu a multa diária de R$ 17.450. 

A assessoria do Center Norte informou que tudo tinha voltado ao normal. Mas, apesar de os corredores estarem cheios, alguns vendedores diziam que o movimento caiu um pouco. "Ainda não está como era, mas a gente sente que, em relação ao sábado passado, por exemplo, quando 'soltaram a bomba', melhorou bem. Naquele dia, a gente vendeu R$ 50 mil, quando em um dia normal vende R$ 90 mil", diz uma vendedora da loja Luigi Bertoli. Ontem, por volta das 16h, eles já tinham chegado a R$ 33 mil.

Conjunto habitacional

Na quinta-feira (6), a Prefeitura de São Paulo apresentou ao Ministério Público Estadual um cronograma de monitoramento e providências a serem tomadas com relação à presença de gás metano na área onde está o conjunto habitacional Cingapura da avenida Zaki Narchi , vizinho ao Center Norte. Entre as providências, está a instalação de drenos.

Sobre os riscos de explosão do local, Amaral Filho afirma que são menores do que no caso do shopping. "O risco lá é bem menor porque não é uma área totalmente impermeável. Lá é a borda do lixão e há menos área de confinamento como os pequenos depósitos que existem no shopping. Kassab afirmou que, caso a Cetesb informe que os moradores do Cingapura corram os mesmos riscos que funcionários e frequentadores do Center Norte corriam antes da instalação dos novos drenos, ele pode pedir a interdição do loca e transferir as famílias.

    Leia tudo sobre: shopping center nortelixãogás metanointerdição

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG