Após acordo, parque Hopi Hari passa por nova perícia

Todos os brinquedos potencialmente perigosos serão analisados pelas equipes da polícia. Nova análise faz parte do acordo entre o parque e o Ministério Público

iG São Paulo |

A Polícia Científica iniciou nesta segunda-feira uma nova perícia em atrações do parque de diversões Hopi Hari, em Vinhedo (SP). O complexo ficará fechado por 10 dias para a realização de uma ampla análise nos brinquedos considerados potencialmente perigosos. A ação ocorreu após a morte de Gabriela Nichimura , de 14 anos. Ela caiu do brinquedo La Tour Eiffel no dia 24 de fevereiro.

Em força-tarefa, representantes do Ministério Público do Estado de São Paulo, Ministério Público da União, Polícia Civil de Vinhedo, Instituto de Criminalística de Campinas, Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (Crea) e Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) se reuniram nesta manhã para definir o plano de trabalho da perícia.

A assessoria do parque informou, por meio de nota, que 14 brinquedos foram selecionados para a vistoria. A escolha foi feita pelo Ministério Público, em parceria com o parque e inclui "vários gêneros de diversão oferecidos pelo Hopi Hari".

Na internet: Vídeos mostram cadeira onde Gabriela sentou desocupada

Mãe: 'Coloquei a mão e ela já não respirava'

DENNY CESARE/FUTURA PRESS/AE
Parque está fechado desde sexta-feira (2). Perícia analisa atrações potencialmente perigosas

O parque está fechado desde sexta-feira (2). Por meio de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado quinta-feira (1), a direção do parque e o Ministério Público do Estado de São Paulo fizeram um acordo para manter o local fechado por dez dias, prorrogáveis por mais dez.

O promotor criminal Rogério Sanches informou pela manhã que o parque deve colocar funcionários à disposição para acompanhar a perícia. "Com isso, vamos rever as datas dos depoimentos, já que não podemos tirar do parque funcionários que estejam acompanhando o trabalho da força-tarefa", afirmou.

Ademar Gomes / Divulgação
Foto da família definiu posição da família no brinquedo. Gabriela está ao fundo (dir.)
"Nós já sabemos o que ocorreu. Agora, colocaremos foco na perícia e assim que for possível ouviremos suspeitos de envolvimento no acidente."

Perícia errada

A nova perícia é realizada após a confirmação que a primeira análise da Polícia Científica foi realizada no assento errado. A polícia e a Promotoria descobriram, por meio de fotografia levada pela família de Gabriela, que a menina sentou-se em uma cadeira que não poderia ter sido utilizada pois estava inoperante havia ao menos dez anos.

Não foram definidos número ou quais atrações passarão por perícia, mas segundo informou o advogado do parque, Alberto Zacharias Toron, os brinquedos com sistema eletromecânico devem ser os mais visados. "A diretoria do parque concordou prontamente porque tem plena consciência da correção dos seus procedimentos", afirmou o advogado.

Erro: Hopi Hari diz que cadeira utilizada por menina estava interditada havia dez anos

A promotora da área do consumidor, Ana Beatriz Sampaio Silva Vieira, não descartou a possibilidade de interdição do parque. Segundo ela, porém, isso só ocorrerá caso o resultado da perícia aponte para insegurança ao visitante. "Vamos ouvir outras pessoas e aguardar o laudo da perícia. Se ficar comprovado que o brinquedo (La Tour Eiffel) era inseguro, peço interdição do brinquedo. Se isso se mostrar em relação a outros brinquedos, posso eventualmente pedir a interdição do parque", afirmou a promotora.

Cadeira desativada

A atração La Tour Eiffel possui cinco setores com quatro cadeiras em cada um. Dois setores estão desativados completamente. No setor 3, a primeira cadeira da esquerda para a direita de quem olha para o brinquedo estava inutilizada. O motivo seria a localização do assento, segundo o parque. Se uma pessoa alta sentasse ali, poderia esbarrar as pernas em estrutura metálica do brinquedo.

A cadeira não possuía nenhum aviso e ficava permanentemente travada. Naquele dia, por falha de manutenção assumida pelo parque quinta-feira (1), a trava abriu e permitiu que Gabriela se sentasse ali. Segundo informou a polícia na quarta-feira após ouvir o depoimento de um dos funcionários, em nenhum momento o garoto disse desconhecer que a cadeira não poderia ter sido usada.

Brinquedo

O aparelho é uma réplica da Torre Eiffel. Conhecido como o 'elevador', ele possui 69,5 metros de altura com assentos que sobem a 5 metros por segundo. Os visitantes ficam parados por 2 segundos na altura de um prédio de 23 andares. Segundo o próprio parque, com o tranco do assento, os usuários despencam em queda livre chegando a 94 Km/h.

Inaugurado em novembro de 1999, o Hopi Hari é considerado um dos maiores parques de diversão da América Latina. Com mais de 50 atrações, o complexo está localizado no km 72 da rodovia dos Bandeirantes, a 30 km de Campinas e a 72 km da capital paulista. Ao todo, o paque possui 760 mil metros quadrados.

*com AE

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG