Alckmin diz que Cracolândia precisa "da ajuda de todos"

Governador de São Paulo diz que a região, que chama de "ex-Cracolândia", precisa da ajuda da União, das Igrejas e do Ministério Público

iG São Paulo |

O governador de São Paulo Geraldo Alckmin afirmou nesta segunda-feira que várias reuniões foram realizadas com a prefeitura de para decidir a ação conjunta que seria adotada na ocupação da Cracolândia, no centro da capital paulista.

Confira a cobertura do iG e as últimas imagens dos usuários que vivem nas ruas da Cracolândia:

Violência mata mais : Uso de crack supera 10 anos na Cracolândia

'Pai' da Cracolândia: Ex-presidiário tenta botar ordem no caos
Luta diária: Ex-usuário e ex-traficante de crack explica como largou o vício
Protesto: 'Churrascão' da Cracolândia divide espaço com consumo da droga
Disseminação: Usuários da Cracolândia se espalham pelo centro de São Paulo

Alckmin se referiu à região como "ex-Cracolândia" e comemorou "os indicadores positivos" da operação. "Aumentou muito o número de pessoas procurando abrigos sociais. Agora estamos oferecendo mais 286 vagas em abrigos. Também aumentou muito a procura por internação voluntária, nenhuma foi compulsória. Foram sete por dia", revelou. 

Dados do governo estadual contabilizam 80 internações, das 1.782 pessoas abordadas por profissionais da Saúde, apreensão de 3,275 kg de crack ou cerca de 9,8 mil pedras, 15,159 kg de cocaína e de 42,524 kg de maconha, retirada de 107,8 toneladas de lixo das ruas da Cracolândia, além da recaptura de 43 fugitivos procurados pela Justiça e prisão de 109 pela Polícia Militar desde o início da ocupação, no último dia 3 de janeiro.

Para Alckmin, a ação na Cracolândia é um trabalho social, de saúde e de segurança pública. "Nós acreditamos na recuperação das pessoas. Nós temos o dever de ajudar a população e os dependentes químicos, e de combater duramente o tráfico de drogas", justificou. 

Questionado sobre uma possível participação do governo federal na ação, Alckmin disse que a região precisa "da ajuda de todos", seja da União, das Igrejas ou do Ministério Público. "Esse é um trabalho longo, só está começando", destacou. 

Alckmin contou que já passou "uma madrugada inteirinha" andando à pé pela região, pouco antes de assumir o novo mandato como governador. Na última sexta-feira (13) passou pela "ex-Cracolândia", mas como seguiria para um evento religioso, não desceu do carro. "Tenho ido pessoalmente in loco", garantiu.

* Com informações da AE

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG