Governador defendeu a ação da PM que, segundo ele, é necessária para oferecer segurança aos estudantes e visitantes

selo

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) criticou neste sábado a resistência de parte do Conselho Gestor da Universidade de São Paulo (USP) à presença da Polícia Militar no interior da Cidade Universitária. "Isso é um resquício do período autoritário", disse.

Alckmin defendeu a ação da PM que, segundo ele, é necessária para oferecer segurança não só aos estudantes, mas também às pessoas que têm acesso ao campus. "É para proteger o cidadão e evitar o crime." Para o governador, associar o trabalho da segurança pública à repressão é algo que precisa ser ultrapassado. "Estamos vivendo outro momento", acentuou. 

A falta de segurança no campus da USP passou a ser discutida depois do assassinato do estudante Felipe Ramos de Paiva, de 24 anos , no último dia 18, supostamente numa tentativa de assalto num estacionamento do campus, no bairro do Butantã, zona oeste da capital.

O governador confirmou que a Polícia Militar vai promover rondas e reforçar o policiamento na área. "A universidade tem autonomia, mas houve uma decisão do Conselho Gestor de solicitar o apoio da nossa polícia. Vamos colaborar com a segurança feita pela própria universidade e isso não vai tirar a liberdade do estudante." Ele disse que a forma de colaboração está sendo definida. 

Decisão da reitoria

O Conselho Gestor da USP decidiu, em reunião realizada nesta sexta-feira, encaminhar à reitoria um pedido para o desenvolvimento de um protocolo para definir a ação da Polícia Militar no campus. Caso seja aprovado, uma nova reunião - ainda sem data definida - do conselho vai estabelecer as medidas práticas que serão tomadas para aumentar a segurança na Cidade Universitária.

Reunião do Conselho Gestor da USP sobre medidas emergenciais de segurança no campus
Futura Press
Reunião do Conselho Gestor da USP sobre medidas emergenciais de segurança no campus

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.