Segundo o governador de São Paulo, o prazo contratual para essas linhas é 2014

selo

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, autorizou neste sábado o início da segunda fase das obras da Linha 4 - Amarela do Metrô, cujos investimentos devem somar R$ 1,8 bilhão. Além da construção de novos acessos, esta etapa inclui o acabamento das obras civis e a instalação de equipamentos em mais quatro estações: São Paulo-Morumbi, Fradique Coutinho, Oscar Freire e Higienópolis-Mackenzie.

Segundo Alckmin, o prazo contratual para essas linhas é 2014. "Nós vamos tentar antecipar o máximo que nós pudermos. E, dentro de 30 dias, assinaremos outro contrato, que é o da Vila Sônia. É a quinta estação dessa linha 4", disse ele, segundo informações da Companhia do Metrô.

Também será construído um trecho em túnel de cerca de 1,5 km para acesso à estação Vila Sônia, a estação Vila Sônia e um terminal de ônibus no local. Para isso, foi feita uma segunda licitação. Terminada a segunda fase, a demanda da Linha 4-Amarela é estimada em cerca de 1 milhão de passageiros/dia.

O investimento total na Linha 4-Amarela, que terá 12,8 km de extensão e 11 estações, será de R$ 5,6 bilhões, incluindo R$ 1,8 bilhão da segunda etapa, conforme a companhia. Durante as obras, deverão ser gerados cerca de 1 mil empregos diretos e 3 mil indiretos.

Em paralelo à segunda fase, o Metrô pretende agilizar a contratação dos projetos funcional e básico da terceira fase da Linha 4-Amarela, que vai estender o percurso da estação Vila Sônia até o município de Taboão da Serra, com aproximadamente mais três quilômetros de extensão.

São Paulo possui atualmente uma malha metroferroviária de 335 quilômetros de extensão (74,3 de linhas metroviárias, 65,3 km a cargo da Companhia do Metrô e 9 km com operação e manutenção sob a responsabilidade da concessionária privada ViaQuatro, e 260,7 km da CPTM).

Segundo a Companhia do Metrô, até 2014, o Metrô de São Paulo deverá ultrapassar 100 km de extensão, que somados aos futuros 300 km de linhas da CPTM vão totalizar 400 km de rede metroferroviária.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.