Advogado da família de Grazielly desiste de apresentar nova testemunha

Segundo José Beraldo, a testemunha teria visto os dois adolescentes acusados fazendo manobras radicais com o veículo no mar

AE |

selo

Reprodução
Grazielly Lames morreu após ser atingida pelo jet ski
O advogado da família de Grazielly Almeida Lames, de 3 anos, morta após ser atropelada por uma moto aquática no sábado de Carnaval em Bertioga (SP) desistiu nesta terça-feira de apresentar uma nova testemunha que poderia complicar ainda mais a situação dos adolescentes V.A.C., 13, e I., 14, que, segundo testemunhas já ouvidas, pilotavam o aparelho no momento do acidente.

Medo: Um mês após morte de menina, banhistas ainda temem jet skis em Bertioga

José Beraldo afirmou nesta terça-feira que desistiu de apresentar a nova testemunha para que o inquérito não sofresse atrasos. Segundo ele, a testemunha seria um proprietário de um hotel localizado na Praia de Guaratuba, local do acidente, e teria visto os dois adolescentes realizarem manobras radicais no mar, uma delas conhecida como "cavalo de pau".No último dia 18, o acidente completou um mês, período em que o inquérito deve ser encerrado. Porém, ele pode ser prorrogado por mais 30 dias.

Permissão: Garoto diz que padrinho de amigo permitiu uso do jet ski

Fuga: Mãe de adolescente que pilotava jet ski pode ser processada por fugir

O caso está sendo investigado, agora, pela Delegacia Seccional de Santos , após passar pela delegacia de Bertioga em sua fase inicial. Após o encerramento das investigações, o inquérito deverá ser remetido para a Vara da Infância eJuventude de Bertioga, que acompanha o caso.

"O Ministério Público já tem provas suficientes para oferecer a denúncia à Justiça", disse Beraldo. Nesta terça-feira também foi feita uma simulação do acidente na Praia de Guaratuba, com base nos depoimentos já prestados pelas cerca de 10 testemunhas.

Risco: Acidentes com jet skis causam ao menos uma morte por mês no Nordeste

Regras: Após acidentes com jet ski, Marinha muda regras para tirar habilitação

A simulação foi realizada pelo perito particular Jean Pierre Frederi, mas não tem validade legal. Segundo o advogado, servirá para dar embasamento ao inquérito. "Vamos apresentar um relatório, acompanhado das filmagens, para subsidiar o trabalho do judiciário", explicou.

    Leia tudo sobre: jet skimorteatropelamentoguaratubabertiogatestemunhaadvogado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG