"Uso ciclovia para ir ao trabalho e levo 'fechada' todos os dias"

Por iG São Paulo - Milena Carvalho | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Geóloga Carla Moraes sofre com o desrespeito de motos e carros; CET fez 6.030 autuações de janeiro a março de 2015

A géologa, que vai ao trabalho de bicicleta, pedala diariamente cerca de 18 km por dia
Carla Moraes
A géologa, que vai ao trabalho de bicicleta, pedala diariamente cerca de 18 km por dia

Após pedalar pelas ciclofaixas de lazer e perceber que o exercício a estimulava, a geóloga Carla Moraes, 31, decidiu, há quatro meses, incluir a bike em sua rotina. 

Uma tarefa complexa. No trajeto até o trabalho – do bairro da Saúde até a Consolação, um percurso de quase 18 km ida e volta –, a cliclista já foi atingida diversas vezes por carros e motos que desrespeitam a sinalização.

O caso mais recente aconteceu nesta quarta-feira (29), quando Carla estava na ciclovia da rua Vergueiro, perto do metrô Vila Mariana, e um motociclista invadiu a faixa, colidindo com a geóloga. Ela caiu e se chocou com a grade de segurança.

Veja o momento exato no vídeo abaixo gravado pela Carla:

Na semana passada, a ciclista também foi "fechada" no mesmo local não só por um, mas por cinco motociclistas. "Eles passaram na maior cara de pau", conta. Carla não chegou a se machucar, mas a corrente de sua bicicleta soltou com a colisão.

Carla flagra carro ocupando a ciclovia da rua Guapiaçu, na Saúde, na zona sul de São Paulo
Carla Moraes
Carla flagra carro ocupando a ciclovia da rua Guapiaçu, na Saúde, na zona sul de São Paulo

Há dois meses, quando pedalava pela rua Coronel Lisboa, na zona sul de São Paulo, Carla e outra ciclista sofreram uma tentativa de atropelamento. "Uma mulher que estava em cima da ciclovia aguardando o semáforo abrir, avançou com o carro três vezes em nossa direção depois de eu falar que ela não poderia parar ali", lembra.

Testemunhas presenciaram o momento e Carla decidiu registrar a ocorrência em uma delegacia. Depois de uma semana, ao saber que não iriam prosseguir a investigação, ficou ainda mais revoltada.

"O delegado disse que só poderia dar andamento ao inquérito se tivesse feito exame de corpo de delito ou se ainda houvesse algum dano na minha bike, mas eu já tinha arrumado os estragos." Desde então, por segurança, Carla tem filmado seus trajetos com uma câmera no guidão.

Leia também:

Cicloativistas bloqueiam Avenida Paulista em ato em defesa das ciclofaixas

Liminar que suspendeu obras de ciclovias em SP é derrubada pela Justiça

Fiscalização

De acordo com a Companhia de Engenharia de Trânsito (CET), de janeiro a março deste ano foram aplicadas 6.030 autuações relacionadas ao Programa de Proteção ao Ciclista. No mesmo período de 2014, foram 5815. No total, 1854 agentes de trânsito integram a equipe de fiscalização. Desde janeiro, agentes da guarda civil municipal também inspecionam as ruas. 

O motorista que estacionar sobre a ciclovia ou ciclofaixa pode levar uma multa grave de R$ 127,69, que rende cinco pontos na carteira. Já quem transita com o veículo sobre esse espaço recebe uma infração gravíssima de R$ 574,62 e perde sete pontos.

Ciclista Carla Moraes começou a fazer vídeos após ser atingida diversas vezes por carros e motos em ciclovias. Foto: Carla MoraesOutro carro que ocupa a ciclovia da rua Honduras, no Jardim Paulista, zona sul de São Paulo. Foto: Carla MoraesA géologa, que vai ao trabalho de bicicleta, pedala diariamente cerca de 18 km por dia. Foto: Carla MoraesCarla Moraes flagra carro parado na ciclovia da rua Guapiaçu, na Saúde, zona sul de São Paulo. Foto: Carla Moraes


Leia tudo sobre: ciclistascicloviasIGSPbicicleta

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas