O surto de dengue pode ser parcialmente explicado pela crise hídrica, que aumenta o acúmulo precário de água

BBC

O trabalho dos inspetores é cansativo
Moises Zeferino/BBC Brasil
O trabalho dos inspetores é cansativo

Todos os dias, dezenas de agentes da Prefeitura de São Paulo saem a campo para combater e prevenir o inimigo público número 1 da cidade: a dengue.

Transmitida pelo mosquito Aedes Aegypti, que também é vetor da febre amarela em áreas urbanas, a doença vem afetando cada vez mais pessoas neste ano.

Leia também:  Casos de dengue crescem 240% no Brasil em 2015; mortes aumentam 29%

Casos de dengue crescem 139% em SP; ministro diz que números devem aumentar

Segundo o último balanço divulgado pela Prefeitura de São Paulo, já são mais de 8 mil casos confirmados de dengue apenas na capital paulista nos três primeiros meses deste ano, contra cerca de 3 mil no mesmo período de 2014. Até agora, quatro pessoas morreram. No Estado, esse número de casos chega a 167 mil.

A nível nacional, o cenário é ainda pior. De acordo com dados do Ministério da Saúde, o número de brasileiros infectados pelo vírus mais do que triplicou de janeiro a março deste ano, ante ao mesmo período do ano passado. O total de doentes passou de 135,3 mil para 460,5 mil.

Em São Paulo, o surto de dengue pode ser parcialmente explicado pela crise hídrica, que vem afetando principalmente o Sudeste do país. Mais pessoas vêm armazenando água de forma errada, criando o ambiente ideal para o desenvolvimento dos mosquitos.

Outra provável razão, segundo Alessandro Giangola, coordenador geral das Ações de Controle do Aedes aegypti do município de São Paulo, é o aumento da temperatura global.

Foram registrados 8 mil casos em 2015 - 5 mil a mais que no mesmo período do ano passado
Moises Zeferino/BBC Brasil
Foram registrados 8 mil casos em 2015 - 5 mil a mais que no mesmo período do ano passado

"O mosquito da dengue não gosta de frio. Com o aumento da temperatura global, passamos a verificar casos da doença em Estados do Brasil onde antigamente não havia qualquer incidência do vírus", disse ele à BBC Brasil.

O trabalho dos inspetores é cansativo, mas importante, já que a vacina para a dengue ainda está em fase de testes. Sem um tratamento adequado, a doença pode levar à morte.

Para evitar uma nova epidemia de dengue, a Prefeitura de São Paulo vai intensificar as operações de combate e prevenção. Também foram instaladas tendas de combate à doença com o objetivo de agilizar o tratamento e evitar novas mortes.

A Prefeitura também terá a colaboração do Exército no enfrentamento aos focos da dengue. Serão treinados 50 soldados para atuar com os 2,5 mil agentes da saúde municipal.

A BBC Brasil acompanhou um dia na vida dos "inspetores da dengue". Veja Vídeo

Um dia na vida de um 'inspetor da dengue' em São Paulo


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.