MTST organiza ato no dia 15 contra direita e pela taxação de grandes fortunas

Por Maíra Teixeira - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Mote da mobilização que ocorrerá em São Paulo será "Contra a Direita por Mais Direitos" e pedirá reforma política e urbana, além de fazer oposição aos manifestantes de 15 de março

Integrantes do MTST em protesto em 18 de março na Avenida Guarapiranga (zona sul de São Paulo) pelo início da terceira fase do Minha Casa Minha Vida
Luiz Claudio Barbosa/Futura Press
Integrantes do MTST em protesto em 18 de março na Avenida Guarapiranga (zona sul de São Paulo) pelo início da terceira fase do Minha Casa Minha Vida

A coordenação do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) organiza um ato para o dia 15 deste mês para pedir o fim do financiamento privado de campanha e a taxação de grandes fortunas, dentro de uma reforma política ampla. A concentração está marcada para às 17h no Largo da Batata, zona oeste de São Paulo, e terá a presença de outros movimentos sociais.

Leia mais: Dúvidas sobre terceira fase do Minha Casa, Minha Vida mobilizam MTST

Manifestantes do MTST fazem protestos pelo Brasil

Com protestos em 13 Estados, MTST tenta dar "resposta ao avanço da direita"

Segundo Natália Szermeta, uma das coordenadoras do MTST, ainda não estão fechadas todas as entidades que participarão e nem um possível trajeto de manifestação. "Nosso mote será Contra a Direita por Mais Direitos. Teremos um posicionamento de oposição às manifestações do dia 15 de março. Em conversa com outros movimentos sociais, decidiremos o trajeto que faremos a partir do Largo da Batata. Nossa luta é por direitos, por igualdade." 

O movimento prepara também um documento de reivindicações ao governo federal, que tem protelado o lançamento da terceira fase do Minha Casa, Minha Vida, previsto para o mês de março. O atraso impede novas contratações de obras pelo programa federal de habitação. O Ministério da Cidades nega que haja atraso na nova fase. Segundo a pasta, o lançamento será feito ainda neste ano, mas não há uma data definida.

"O ministério das Cidades tem postergado a nova fase. A cada encontro que nossos representantes têm com com eles para tratar da pauta, vemos isso", afirma Natália.

Leia também: MTST, MPL e black blocs rechaçam presença em protesto contra Dilma

Em ato em SP, MTST reúne 8 mil pessoas e lideranças são recebidas pelo governo

Protagonista dos maiores protestos de rua realizados na capital paulista em 2014, o MTST tem demonstrado força para reunir militantes em um mesmo espaço e chamar a atenção das autoridades para suas demandas.

O movimento lidera uma série de atos contra o governo estadual, de Geraldo Alckmin. Em janeiro, o alvo da mobilização foi a crise hídrica na capital paulista, e o movimento questionou o fato de os cortes de água atingirem mais a periferia do que áreas nobres da cidade. Com cerca de oito mil pessoas fechando avenidas em uma marcha uniforme em direção ao Palácio dos Bandeirantes, sede do Poder Executivo, lideranças do grupo, como Guilherme Boulos, conseguiram chamar a atenção e agendar uma reunião com a Casa Civil. 

Manifestantes do MTST na Marcha pela Água, realizada em São Paulo nesta quinta-feira, 26 de fevereiro. Foto: Facebook/ReproduçãoDe acordo com a PM, 8 mil pessoas participaram do protesto, que terminou no Palácio dos Bandeirantes. Foto: Facebook/ReproduçãoNa imagem, lideranças dos sem-teto se encontram com o secretário chefe da Casa Civil, Edson Aparecido. Foto: Facebook/ReproduçãoManifestantes passam pela Ponte Cidade Jardim, nesta quinta-feira (26), 1º grande ato do grupo em SP neste ano. Foto: Facebook/ReproduçãoGovernador Geraldo Alckmin é ironizado por militantes do MTST, nesta quinta-feira. Foto: Fernando Zamora/Futura PressLuciana Genro (PSOL) é observada por Guilherme Boulos enquanto discursa no ato. Foto: Fernando Zamora/Futura Press





compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas