Garoto negro é expulso da frente de loja em bairro nobre de São Paulo

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Pai de menino de 8 anos acusa vendedora da Animale, na Rua Oscar Freire, de ter cometido racismo no último sábado (28)

Garoto sofreu preconceito em frente a loja Animale, localizada na Rua Oscar Freire
Reprodução/Facebook
Garoto sofreu preconceito em frente a loja Animale, localizada na Rua Oscar Freire

Um suposto caso de racismo tem repercutido com força nos últimos dias nas redes sociais. Indignado, um pai acusa uma vendedora da loja Animale, na rua Oscar Freire, em São Paulo, de ter expulsar seu filho de 8 anos da frente do estabelecimento, no último sábado (28).

O depoimento de Jonathan Duran no Facebook já contava mais de dois mil compartilhamentos na tarde de terça-feira (31), além de uma série de comentários negativos contra a atitude da funcionária.

"O meu filho e eu fomos expulsos da frente desta loja enquanto eu fazia uma ligação porque, em certos lugares em São Paulo, a pele do seu filho não pode ter a cor errada", escreveu Jonathan Duran na rede social.

Segundo Duran, a vendedora saiu da loja em direção ao garoto e disse: "Ele não pode vender coisas aqui". Chocado, o pai só conseguiu responder: "Ele é meu filho".

Por meio de nota, a loja Animale informou que repudia qualquer atitude de discriminação e preconceito.

Leia mais: 
Profissional do Mais Médicos denuncia secretária de Saúde por racismo
Página que faz apologia ao estupro e ao racismo volta ao ar no Facebook

Leia a nota na íntegra:

"Caros clientes e amigos da marca, 

Viemos até vocês para falar sobre o fato ocorrido no último sábado em uma de nossas lojas.

A Animale, com quase 25 anos de existência, sempre se posicionou de forma democrática em todas as sua expressões. Convidamos vocês para conhecerem as nossas lojas: uma grande equipe formada por profissionais das mais diversas etnias, orientações sexuais e credos. Sem limitações de imagens perfeitas impostas pela moda. Somos assim.

No último sábado fomos pegos de surpresa por um episódio inesperado. Contudo, o mais importante é a tomada de consciência, que estamos tendo internamente, para reforçar valores desta empresa que acabamos de descrever.

Somos e acreditamos na diversidade em todos os sentidos. Hoje, com 76 lojas distribuídas pelo Brasil, nos esforçamos ao máximo para estar próximos de cada cultura.

Definitivamente somos uma empresa que repudia qualquer atitude de discriminação e preconceito."

Veja outros casos de racismo no Brasil:

Caso do ator Vinícius Romão chamou atenção no Rio de Janeiro no começo deste ano. Foto: ReproduçãoEle ficou 15 dias detido após ter sido erradamente reconhecido por uma vítima de assalto. Foto: Reprodução/ TV GloboO pai do ator, o militar reformado Jair Romão, comemorou a soltura do filho e o arquivamento do processo. Foto: Carlos MoraesCaso não foi o único no Rio. Em fevereiro, um jovem negro suspeito de assalto foi preso pelo pescoço por uma trava de bicicleta. Foto: Reprodução internetO futebol é outro campo em que casos de racismo ocorrem. O tema é preocupação do País para a Copa do Mundo. Foto: Divulgação/CBFO primeiro caso foi vivido por Tinga, no Peru, pela Libertadores. A torcida rival imitou som de macaco quando ele pegava na bola. Foto: VIPCOMM/DIVULGAÇÃOO jogador recebeu mensagens de apoio de diversas torcidas e de representantes da sociedade. Foto: Eugenio Savio/APO volnate Arouca do Santos, foi xingado de 'macaco' por torcedores em uma partida pelo Campeonato Paulista contra o Mogi Mirim. Foto: FLICKR OFICIAL/SANTOS/REPRODUÇÃO O árbitro Márcio Chagas recebeu ofensas durante jogo pelo Campeonato Gaúcho encontrou seu carro amassado, com bananas na lataria. Foto: Arquivo pessoalDilma Rousseff recebe o árbitro Marcio Chagas e o meia Tinga, do Cruzeiro. Foto: Site oficial da Presidência da República


Leia tudo sobre: racismoigspnobreoscar freirenegro

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas