Em ato em SP, MTST reúne 8 mil pessoas e lideranças são recebidas pelo governo

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Principal porta-voz dos sem-Teto, Guilherme Boulos e outras lideranças conseguiram encontro com chefe da Casa Civil

Manifestantes do MTST na Marcha pela Água, realizada em São Paulo nesta quinta-feira, 26 de fevereiro. Foto: Facebook/ReproduçãoDe acordo com a PM, 8 mil pessoas participaram do protesto, que terminou no Palácio dos Bandeirantes. Foto: Facebook/ReproduçãoNa imagem, lideranças dos sem-teto se encontram com o secretário chefe da Casa Civil, Edson Aparecido. Foto: Facebook/ReproduçãoManifestantes passam pela Ponte Cidade Jardim, nesta quinta-feira (26), 1º grande ato do grupo em SP neste ano. Foto: Facebook/ReproduçãoGovernador Geraldo Alckmin é ironizado por militantes do MTST, nesta quinta-feira. Foto: Fernando Zamora/Futura PressLuciana Genro (PSOL) é observada por Guilherme Boulos enquanto discursa no ato. Foto: Fernando Zamora/Futura Press

Protagonista dos maiores protestos de rua realizados na capital paulista em 2014, o Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra voltou às ruas nesta quinta-feira (26) demonstrando força para reunir militantes em um mesmo espaço e chamar a atenção das autoridades para suas demandas. Desta vez, o alvo foi o governo estadual. 

Leia mais:
2015 terá acirramento de lutas sociais no Brasil, afirma líder dos sem-teto

Assim como o realizado no final de janeiro, o novo ato teve como foco protestar contra a crise hídrica na capital paulista, questionando o fato de os cortes de água atingirem mais a periferia do que áreas nobres da cidade. Desta vez, no entanto, com cerca de oito mil pessoas fechando avenidas em uma marcha uniforme pela zona oeste em direção ao Palácio dos Bandeirantes, sede do Poder Executivo, lideranças do grupo, como Guilherme Boulos, conseguiram chamar a atenção das autoridades e ganharam uma reunião com o chefe da Casa Civil, Edson Aparecido. 

Governador Geraldo Alckmin é ironizado por militantes do MTST, nesta quinta-feira
Fernando Zamora/Futura Press
Governador Geraldo Alckmin é ironizado por militantes do MTST, nesta quinta-feira


"[Exigimos] apresentação de medidas de transparência sobre a real situação dos reservatórios e um primeiro aviso ao governador que o povo da periferia não aceitará ser penalizada pela irresponsabilidade e falta de planejamento do governo Geraldo Alckmin", disse o grupo em nota.

Leia também:
Distrito Federal e MTST negociam na 3ª desocupação de áreas invadidas
Em dia de protestos, MTST invade sede de empresa pública no DF

Lideranças ao lado de Edson Aparecido
Facebook/Reprodução
Lideranças ao lado de Edson Aparecido

Para chegarem ao bairro do Morumbi, zona oeste de São Paulo, onde fica o Palácio, o grupo se reuniu às 17h, no Largo da Batata, em Pinheiros. De lá, por volta das 18h, partiu, sempre obstruindo a passagem de veículos em todas as faixas, pela Avenida Faria Lima, Ponte Cidade Jardim, Avenida dos Tajurás, Rua Engenheiro Oscar Americano e, por fim, a Avenida Morumbi. 

Antes do encontro com o representante do governo, militantes do grupo chegaram a permanecer por mais de uma hora em frente ao Palácio dos Bandeirantes. Só quando Boulos e as outras lideranças foram atendidas os militantes foram liberados para seguirem em direção ao Estádio do Morumbi e, de lá, dispersarem o ato. 

Leia tudo sobre: mtstcrise hídricaáguaigspsem-teto

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas