Segundo o governador, uma nova licitação deverá ser feita para que outra empresa assuma o restante das obras

Agência Brasil

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, disse nesta quinta (19) que o governo não vai esperar a continuidade das obras da Linha 4-Amarela do metrô e que todas as multas e advertências possíveis já foram entregues ao consórcio responsável, o Isolux-Corsán-Corviam.

Segundo ele, uma nova licitação deverá ser feita para que outra empresa assuma o restante das obras.

Leia: Metrô de São Paulo opera no vermelho mesmo com tarifa, publicidade e loja

“Temos um consórcio que venceu dois lotes, com quatro estações (Higienópolis, Oscar Freire, Morumbi e Vila Sônia), além de pátios e túneis. Para entregar a Fradique Coutinho já foi um sufoco. Apertamos até entregar. As outras não têm jeito. Elas não têm equipamento, insumo e a obra não anda. Já comunicamos o Banco Mundial para fazer a rescisão contratual. Vamos levantar a garantia e aí certamente relicitar a obra”, explicou.

As obras dessas cinco estações foram licitadas em 2011 e começaram em 2012. Com o atraso, devem ser entregues até 2018.

Em nota, a concessionária informou que, por causa do desequilíbrio econômico-financeiro da obra, vem fazendo esforços para reajustar o fluxo de pagamentos do projeto de construção da Linha 4 do Metrô.

“O fato foi gerado por atrasos na entrega e definição dos projetos executivos por parte do Metrô. Além disso, há morosidade de aprovação de novos serviços, cuja responsabilidade está fora do escopo do contrato inicial”, acrescentou a nota.

Segundo a Isolux, as obras da Linha 4-Amarela não pararam.

Veja imagens das greve dos ferroviários:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.