De acordo com a PM, aproximadamente 150 manifestantes participaram do ato, encerrado na Praça Roosevelt, no centro

Um protesto contra a crise hídrica realizado em São Paulo foi marcado por confusão antes mesmo de sair em passeata, no início da noite desta quarta-feira (11). De acordo com a Polícia Militar, o tumulto ocorreu quando manifestantes furaram o bloqueio da PM e invadiram as pistas nos dois sentidos da Avenida Paulista. Ao menos duas pessoas foram detidas. 

Primeiro grande ato do ano na capital que não focou na questão do aumento da tarifa do transporte público, o protesto começou com concentração dos ativistas no Vão Livre do Museu de Arte de São Paulo (MASP), por volta das 15h. Às 18h, cerca de 40 manifestantes estavam no local, número inflado para 150 ao longo da manifestação.

Leia mais:
Em ato esvaziado, MPL promove "casamento" de Haddad com catraca de ônibus
Com menos manifestantes, ato do MPL termina em tumulto em São Paulo
Ato do MPL volta ao centro com bandeira nacional incendiada e quatro detidos
Protesto do MPL é marcado por agressões, prisões e pichação de monumento

As detenções dos dois ativistas ocorreram por volta das 19h30, quando os manifestantes iniciavam a passeata rumo à Estação Elevatória da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), destino final do ato, na Rua Dona Antônia de Queiroz. 

Para chegar ao local, o protesto passou pela Avenida Paulista até alcançar a Rua Augusta, por onde acessou a Rua Consolação, ocupando quatro faixas no sentido-centro. Ao longo de todo o ato, gritos contra a gestão do governo Geraldo Alckmin no Estado eram repetidos. 

Em frente à Sabesp, os manifestantes ficaram por alguns minutos protestando contra a falta de transparência e ações da estatal diante da crise hídrica. Posteriormente, caminharam em direção à Praça Roosevelt, na região central, onde encerraram o ato às 21h. 

Veja fotos dos atos realizados em São Paulo em 2015:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.