Com salários atrasados, médicos da Santa Casa de SP admitem entrar em greve

Por Anderson Passos - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Além dos salários de novembro e do 13º, profissionais de medicina alertam para falta de condições de trabalho

Pela primeira vez desde que a crise financeira da Santa Casa de São Paulo ganhou o noticiário, em abril do ano passado, os médicos que atuam na instituição admitem a possibilidade de entrar em greve. Uma assembleia está marcada para o dia 27 deste mês e o tema deve ser colocado em pauta.

Santa Casa está buscando financiamento com outros bancos para tentar espantar a crise
Maíra Teixeira/iG
Santa Casa está buscando financiamento com outros bancos para tentar espantar a crise

Leia mais: Santa Casa acena com diálogo e sindicato recua

Médico e herdeiro do Itaú: Kalil simboliza falta de credibilidade na Santa Casa

A possibilidade de greve foi aventada na reunião promovida pelo Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp) e profissionais da Santa Casa no final da semana passada.

Na ocasião, o sindicato recebeu denúncias de dificuldades nas internações de pacientes graves por falta de equipamentos adequados para o atendimento ao mesmo tempo em que o pronto socorro não para de receber pacientes que necessitam de internação.

"Uma das deliberações da assembleia foi garantir o exercício adequado da medicina e, por isso, o Simesp solicitará ao Conselho Regional de Medicina (Cremesp) uma vistoria das condições de trabalho na Santa Casa”, explica o presidente do Simesp, Eder Gatti.

O sindicato também atuará para envolver a Secretaria Estadual de Saúde no processo. Os profissionais da Santa Casa querem saber, por exemplo, se o governo paulista irá fazer novos repasses à instituição. Uma reunião com o secretário de saúde David Uip ainda não tem data definida.

Sem previsão

A superintendência da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo não vai mais prometer nova data para saldar as dividas trabalhistas (salário de novembro e o 13°). A expectativa era de que a Caixa Econômica Federal liberasse crédito até o final de janeiro, o que não ocorreu. A instituição optou por buscar alternativas com outras instituições bancárias, mas manteve sigilo sobre elas. As demissões também estão temporariamente suspensas até o pagamento dos vencimentos atrasados. “Eles reafirmam o compromisso de pagar tudo, mas não dão uma data para quando isso será realizado”, lamentou Eder Gatti.

Consultada sobre a possibilidade de greve do corpo médico, a assessoria de imprensa da Santa Casa informou que não foi comunicada oficialmente pelo Simesp e, assim, não irá se manifestar. 

A Secretaria Estadual da Saúde, por sua vez, informou que o secretário David Uip está aberto a receber os médicos, mas que a pasta não tem ingerência administrativa sobre a Santa Casa para resolver questões administrativas. 

Leia tudo sobre: Santa CasaSão Paulomédicoscrise financeira

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas