Após alagamento, creche na periferia de SP começa o ano com salas interditadas

Por Raul Duarte |

compartilhe

Tamanho do texto

Salas foram interditadas em dezembro do ano passado, após rompimento de galeria fluvial; 46 crianças foram afetadas

Na creche Jardim Comercial, no bairro do Capão Redondo, periferia de São Paulo, o ano letivo vai começar nesta quarta (4) com o mesmo problema com que terminou 2014: desde dezembro, 46 crianças da unidade não têm mais sala de aula. O local em que estudavam ficou completamente inundado após o rompimento de uma galeria fluvial que passa abaixo da construção. A reforma não foi feita durante as férias e as crianças iniciam 2015 sendo atendidas na brinquedoteca.

Obras que resolveriam os problemas começaram dois dias antes do início do ano letivo
Raul Duarte/iG São Paulo
Obras que resolveriam os problemas começaram dois dias antes do início do ano letivo




Por sorte, a enchente ocorreu fora do horário letivo e, por isso, nenhum aluno foi atingido. Com a inundação, mesas, cadeiras, brinquedos e um dos dois computadores da unidade também tiveram de ser inutilizados. 

O medo, agora, é de que outra enchente aconteça antes do final das obras. “As mães ficam todas incomodadas. Algumas trabalham longe e não sentem mais confiança em deixar suas crianças. Se chove demais, alaga tudo", afirma a presidente da Associação dos Moradores do Jardim Comercial, Antônia Lúcia Fernandes.

Leia mais: 

Para cumprir ordem judicial, SP tem 5 meses para criar 27 mil vagas em 
Dilma entregou só 7% das 6 mil novas creches prometidas em campanha

A diarista Mariza Oliveira, que esperou dois anos por uma vaga para o filho, está apreensiva. "Esperei tanto por uma vaga. Daí, no ano passado, quando consegui, a creche inundou. Agora as aulas já vão começar e as obras não estão prontas.”

Em nota, a prefeitura não informa quando a obras de reparo ficarão prontas. Segundo a pasta, as 46 crianças que ocupavam essas duas salas serão atendidas, "sem prejuízo da qualidade, no espaço destinado à brinquedoteca, até que as obras sejam concluídas". O texto afirma, ainda, que "a manutenção da creche e a reposição dos equipamentos danificados só poderão ser feitas quando as obras estiverem concluídas". 

Faltam vagas

Garantir o acesso à creche é um dos grandes problemas da cidade. Dados de novembro de 2014 (os últimos disponíveis) mostravam que havia 187.535 crianças na fila de espera por uma vaga. 

No final de 2013, o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) determinou que a prefeitura de São Paulo terá de disponibilizar 105 mil novas vagas em creche até o fim de 2016, sendo que metade delas (57.500) já teriam de estar disponíveis até junho deste ano. Há cinco meses do fim do prazo intermediário, no entanto, a prefeitura criou apenas 30.363 vagas. Para cumprir a ordem do TJ, terá de criar outras 27.137 vagas em cinco meses.

Universalizar o acesso à creche é uma das metas do Plano Nacional de Educação (PNE). De acordo com o PNE, 50% de todas as crianças de 0 a 3 anos devem estar matriculadas em creche até o ano de 2024. No Brasil, de acordo com os dados, de 2013, apenas 27,9% das crianças estavam matriculadas em creches. Em São Paulo, de acordo com o censo do IBGE de 2010, o porcentual alcançava 36,8%.

Leia tudo sobre: crecheigspeducação básicaescola pública

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas