Antes de confusão, manifestantes passaram em frente à casa do prefeito Fernando Haddad e à Assembleia Legislativa de SP

Apesar de ter transcorrido com tranquilidade ao longo de todo o seu trajeto, o sexto ato de 2015 do Movimento Passe Livre (MPL) em São Paulo, realizado nesta quinta-feira (29), mais ùma foi marcado por momentos de tensão em seu final, em área nobre da zona sul da cidade. Agressões, prisões e ataques a um dos maiores símbolos da capital paulista foram registrados. Jornalistas acabaram atacados. 

Manifestantes se erguem sobre Monumento às Bandeiras, um dos símbolos paulistanos
Leonardo Benassatto/Futura Press
Manifestantes se erguem sobre Monumento às Bandeiras, um dos símbolos paulistanos

Depois de terem passado pela Avenida Paulista, a mais famosa da cidade, e atravessarem a Avenida 23 de Maio em direção à Assembleia Legislativa do Estado, os militantes do grupo se reuniram no Monumento às Bandeiras, obra de arte gigantesca de Victor Brecheret e um dos símbolos máximos de São Paulo, localizada em frente ao Parque do Ibirapuera. 

No local, os militantes do grupo que luta pelo passe livre no transporte público paulistano se ergueram sobre a obra e cantaram gritos de guerra. As frases "bandeirante assassino, morre burguês!", "na periferia a PM mata um por dia" e "a PM mata pobre todo dia" foram pichadas no local, seguindo a prática de destruição de patrimônio público que marca todos os atos do grupo. 

Leia também:
Ato do MPL volta ao centro com bandeira nacional incendiada e quatro detidos
Bombas, ferimentos e detenções marcam protesto do MPL pela tarifa zero
Ato do MPL: "Você chuta uma lata de lixo e vem uma chuva de bombas de gás"

Profissionais da imprensa que registravam o momento foram agredidos por black blocs. Segundo a Polícia Militar, entre os mil manifestantes presentes, ao menos 40 eram adeptos da tática. Alguns estavam mascarados e portando escudos e paus de madeira. Ao menos dois militantes foram detidos, com bolinhas de gude e latas de spray.

O repórter fotográfico Gustavo Gerchmann esteve entre os agredidos pelos black blocs. Freelancer da Futura Press, ele teve seu equipamento quebrado por militantes

Iniciado com concentração por volta das 17h, o protesto passou em frente ao edifício onde vive o prefeito Fernando Haddad, no bairro Paraíso. Em frente ao prédio, militantes exibiram o "troféu catraca", símbolo da luta do grupo pela tarifa zero no transporte público paulistano. 

Veja fotos dos protestos do Movimento Passe Livre em 2015:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.