61% dos paulistanos culpam Sabesp por crise hídrica, diz pesquisa

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Sexta edição da Indicadores de Referência de Bem-Estar no Município abordou 25 temas com 1.512 moradores de SP

Divulgada nesta quinta-feira (22), a 6ª edição da pesquisa Indicadores de Referência de Bem-Estar no Município (Irbem) aponta que 61% dos paulistanos consideram a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) como a culpada pela crise hídrica que atinge principalmente a capital paulista e os municípios em seu entorno desde o ano passado. Foi a primeira vez que o assunto foi abordado no levantamento.

Foto aérea da represa Jaguari, parte do Sistema Cantareira%3, que abastece a capital: a água sumiu
Nasa Earth Observatory
Foto aérea da represa Jaguari, parte do Sistema Cantareira%3, que abastece a capital: a água sumiu

Encomendada pela Rede Nossa São Paulo e pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), a pesquisa realizada pelo Ibope aborda 25 temas relacionados à percepção dos moradores em relação à cidade. Para chegar ao resultado, foram entrevistadas 1.512 pessoas com idade superior aos 16 anos, entre os dias 24 de novembro e 8 de dezembro.

Leia mais:
Ex-presidente da Sabesp releva dados e elogia gestão da crise: "Case de sucesso"
"Paga-se muito pouco pela água no Brasil", diz chefe de comitê da ONU

Torneira seca
Um dos pontos de destaque do levantamento é a situação calamitosa em que se encontra tanto a cidade quanto o Estado em relação à distribuição de água à população. Junto aos 61% que culpam a Sabesp pela crise hídrica, 42% colocam a responsabilidade na falta de planejamento do governo estadual.

Veja a situação desoladora dos reservatórios paulistas:

Vaca caminha pela Represa Jacareí, no dia 29 de janeiro: normalmente ali teria água. Foto: Futura PressSituação calamitosa da Represa Jacareí, parte do Sistema Cantareira, no dia 29 de janeiro. Foto: Futura PressCarro no meio na Atibainha devido ao baixo nível da represa: cenário desolador. Foto: Futura PressPedalinhos inutilizados na Represa Atibainha, parte do Cantareira, em janeiro. Foto: Futura PressRepresa Atibainha, em janeiro de 2015. Foto: Futura PressLixo surge na Represa de Atibainha, em janeiro. Foto: Futura PressEm protesto contra a falta de água, governador Geraldo Alckmin é ironizado por manifestantes (26/01/2015). Foto: AP PhotoEm São Paulo, moradores organizaram uma passeata contra a falta de água. Foto: AP PhotoMoradores protestam contra a falta de água em São Paulo (26/01/2015). Foto: AP PhotoProtesto 'Banho Coletivo na casa do Alckmin', na manhã desta segunda-feira (23), em frente ao Palácio dos Bandeirantes. Foto: Futura PressFalta de água em São Paulo se agrava e motiva protestos . Foto: AP PhotoRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em setembro; veja mais imagens da situação dos reservatórios do Sistema Cantareira. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em foto de setembro. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em foto de setembro. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura PressSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia Stavis

Do total, 66% se disseram bem informados sobre o tema e 82% acreditam que existe um grande risco de a água acabar na cidade. Os números dizem bastante a respeito do ponto de vista prático, pois 68% dos entrevistados tiveram – ou têm algum familiar que teve – problemas de abastecimento nos últimos 30 dias.

Com o crescimento das críticas à Sabesp, cresceu também o nível de desconfiança em relação à empresa. Na pesquisa anterior, 82% afirmaram confiar nela, enquanto no atual levantamento, a porcentagem caiu para 62%.

Leia também:
Sabesp poderá ser forçada a racionar água se não chover
Funcionários da Sabesp são ameaçados por moradores em bairros onde falta água
Crise hídrica deve ser pior neste ano do que em 2014, diz presidente da Sabesp

Oscilações
A pesquisa, que abordou a percepção da população nas áreas da saúde, educação, meio ambiente, habitação e trabalho, além de questões mais subjetivas, como sexualidade, espiritualidade, consumo e lazer, registrou uma percepção mista sobre as melhoras na cidade.

Por exemplo, em relação à mobilidade urbana, com a introdução das ciclovias, ao transporte público e à gestão do prefeito Fernando Haddad. A percepção sobre a segurança na cidade também evoluiu – de 6% para 10% dos entrevistados veem a capital como "muito segura".

Entretanto, em outros pontos as opiniões se negativaram. É o caso da saúde pública, que viu o tempo de espera em prontos-socorros e hospitais dobrar de um ano para cá, o que colaborou, junto a outros temas negativos, a levar 57% dos entrevistados a considerarem mudar de cidade.

Leia tudo sobre: sabespcrise hídricaigspágua

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas