Em SP, estudantes acampam em frente a prefeitura e pedem passe livre irrestrito

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Em dezembro, o prefeito Fernando Haddad anunciou que alunos da rede pública e do ciclo básico teriam direito à gratuidade no transporte

Agência Brasil

Integrantes do movimento estudantil estão acampados, desde o início da manhã de hoje (15), em frente ao prédio da prefeitura, no Viaduto do Chá, no centro de São Paulo. Eles querem que o governo municipal amplie o passe livre no transporte público para todos os estudantes, sem restrições.

Movimento Passe Livre marca primeiro protesto contra aumento da tarifa em SP

Com celular, médica faz cobertura "independente" de direita do protesto em SP

Integrantes do Movimento Passe Livre acampam em frente à Prefeitura de São Paulo
Futura Press
Integrantes do Movimento Passe Livre acampam em frente à Prefeitura de São Paulo


No dia 26 de dezembro, o prefeito Fernando Haddad anunciou que alunos da rede pública e do ciclo básico (fundamental e médio) teriam direito à gratuidade. A limitação ocorre para estudantes de nível superior privado, pois são contemplados somente os que são beneficiários de programas de financiamento ou que sejam cotistas (raciais ou sociais). Junto com o anúncio do passe livre para estudantes, a prefeitura também divulgou o reajuste da passagem de R$ 3 para R$ 3,50.

“Primeiro, repudiamos esse aumento, mas desta vez é diferente, porque veio com um anúncio muito significativo que é a conquista do passe livre. Nós lutamos há mais de 20 anos pelo passe livre estudantil, então vamos para a rua também para comemorar”, explicou a presidenta da União Estadual dos Estudantes (UEE) Carina Vitral, de 26 anos, estudante de economia da Pontifícia Universidade Católica (PUC). Apesar da conquista, ela destaca que o movimento continua mobilizado pela gratuidade sem restrição.

Carina diz que o movimento também luta para que o transporte público se torne um direito fundamental e que o passe livre seja garantido a todo cidadão. Ela explica que, como isso ainda não é uma realidade no Brasil, as lideranças estudantis consideram prioritária a concessão do passe livre para que se garanta o direito à educação.

“O passe livre é um direito complementar ao direito fundamental da educação. Se eu não tenho transporte para a escola, para o cinema, para o museu, eu não chego lá. Todos esses são ambientes escolares, por isso criticamos a existência de cotas de passagens ao passe livre”, afirmou a presidenta da UEE.

Os estudantes informaram que não deixarão o local até serem recebidos pelo prefeito Fernando Haddad. No final da manhã, após a solenidade de posse do novo secretário de Educação, Gabriel Chalita, Haddad disse desconhecer o acampamento em frente ao prédio da prefeitura e não comentou o assunto.

Chalita considerou um avanço a implantação do passe livre para estudantes da rede pública. “O prefeito já deu um passo importante para que os estudantes possam usar gratuitamente os ônibus. É um grande avanço que a gente tenha conseguido atender os alunos”, declarou.

Durante a posse, Chalita destacou, como um dos desafios de sua gestão, a criação de vagas em creches. De acordo com a presidenta da UEE, na próxima semana, o grupo irá à Assembléia Legislativa para pressionar pela aprovação de um projeto que garanta passe livre para alunos em todo o estado.

Em frente ao paço municipal, foram montadas cerca de 30 barracas. Também fazem parte do ato, integrantes da União Nacional dos Estudantes (UNE), União Brasileira de Estudantes Secundaristas (Ubes), União Paulista de Estudantes Secundaristas (Upes), além de entidades de base, como diretórios e centros acadêmicos.

Veja imagens da manifestação do MPL na sexta-feira (9 de janeiro de 2015):

Pichação feita por manifestantes do MPL no Monumento às Bandeiras, símbolo paulistano, nesta quinta-feira (29). Foto: Leonardo Benassatto/Futura PressAgredido por black blocs, fotógrafo Gustavo Gerchmann teve seu equipamento destruído no final do protesto do MPL de quinta-feira, 29 de janeiro. Foto: Leonardo Benassatto/Futura PressMonumento às Bandeiras com pichações feitas por militantes do MPL ao final do protesto desta quinta-feira (29) em SP. Foto: Twitter/ReproduçãoManifestantes se erguem sobre Monumento às Bandeiras, um dos símbolos paulistanos, nesta quinta. Foto: Leonardo Benassatto/Futura PressSexto ato de 2015 do MPL atraiu cerca de mil pessoas, nesta quinta-feira (29); muitos estavam mascarados. Foto: Rafael Neddermeyer/fotos públicasImagem da assembleia que decidiu o trajeto do ato, nesta quinta-feira (29), no vão livre do Masp. Foto: Facebook/ReproduçãoCatraca que manifestantes levaram à residência do prefeito Haddad, pela qual passaram em frente. Foto: Facebook/ReproduçãoMPL exige o passe livre nos transportes públicos paulistas. Foto: Facebook/ReproduçãoTroféu-catraca no início do ato de quinta-feira (29). Foto: Facebook/ReproduçãoPoliciais reforçam segurança na Avenida Paulista, na quinta-feira (29). Foto: Rafael Neddermeyer/fotos públicasManifestantes no ato que passou pela Paulista, 23 de Maio e terminou em frente à Assembleia Legislativa paulista. Foto: Rafael Neddermeyer/fotos públicasPoliciais fazem cordão de isolamento na Paulista, na quinta-feira (29). Foto: Rafael Neddermeyer/fotos públicasIdoso se junta a jovens no protesto de quinta-feira (29) pela tarifa zero. Foto: Rafael Neddermeyer/fotos públicasA PM afirma que cerca de 40 manifestantes eram black blocs, com escudos e paus como armas. Foto: Rafael Neddermeyer/fotos públicasManifestantes no início do ato de terça-feira (27), o quinto do MPL em São Paulo em 2015. Foto: Raul Duarte/iG São Pauloato do mpl - 27 de janeiro. Foto: Fernando Zamora/Futura PressPoliciais militares fazem cordão de isolamento no Largo da Batata, nesta terça-feira (27). Foto: Fernando Zamora/Futura PressMais uma vez, protesto do MPL acabou em confronto, nesta sexta-feira, em São Paulo; ao menos três ficaram feridos e quatro foram presos. Foto: Futura PressMais uma vez, protesto do MPL acabou em confronto, nesta sexta-feira, em São Paulo; ao menos três ficaram feridos e quatro foram presos. Foto: Futura PressMais uma vez, protesto do MPL acabou em confronto, nesta sexta-feira, em São Paulo; ao menos três ficaram feridos e quatro foram presos. Foto: Futura PressMais uma vez, protesto do MPL acabou em confronto, nesta sexta-feira, em São Paulo; ao menos três ficaram feridos e quatro foram presos. Foto: Futura PressMais uma vez, protesto do MPL acabou em confronto, nesta sexta-feira, em São Paulo; ao menos três ficaram feridos e quatro foram presos. Foto: Futura PressManifestantes ao início do protesto, quando tudo parecia encaminhar para um ato pacífico, nesta sexta-feira (23). Foto: Facebook/ReproduçãoJornalista Edgar Maciel, de "O Estado de S. Paulo", foi acertado por um tiro de borracha disparado por um PM dirante manifestação do MPL (23/01/2015). Foto: Reprodução/FacebookManifestantes queimam catraca em protesto do Movimento Passe Livre, em São Paulo (23/01/2014). Foto: Facebook/ReproduçãoPoliciais avançam sobre manifestantes no ato desta sexta-feira, que terminou em quebra-quebra e prisões. Foto: Leonardo Benassatto/Futura PressManifestantes são detidos em manifestação do MPL - 9-1-2014. Foto: Fernando Zamora/Futura Presshomem é preso pela polícia em protesto do mpl - 9-1-2014. Foto: Leonardo Benassatto/Futura PressMilitante adepto da tática black bloc no protesto desta sexta-feira. Foto: Fernando Zamora/Futura PressBarricada feita na Rua Peixoto Gomide em frente ao Hospital 9 de Julho. Foto: Luísa Pécora/iGAgência do Banco do Brasil depredada por manifestantes, nesta sexta-feira. Foto: Vitor Sorano/iGAvenida Angélica bloqueada pela polícia nas proximidades da Avenida Paulista. Foto: Vitor Sorano/iGManifestante é atingida na perna por bala de borracha. Foto: Barbara Liborio/iGLixo incendiado no cruzamento da avenida Angélica com a rua Goiás. Foto: Vitor Sorano/iG São PauloLixo incendiado na esquina da avenida Angélica com a rua Goiás. Foto: Vitor Solano/iG São PauloTropa de choque na esquina da rua Haddock Lobo com a Avenida Paulista. Foto: Alex GomesCom faixas e cartazes, manifestantes protestam contra reajuste das tarifas de transporte público (09/01/2015). Foto: iG/Bárbara LibórioEm São Paulo, manifestantes são acompanhados de perto pela polícia e pedem que transporte público seja gratuito (09/01/2014). Foto: iG São PauloProtesto ficou maior quando grupo contra reajuste das tarifas públicas chegou a Rua da Consolação, região central de São Paulo (09/01/2015). Foto: iG/Bárbara LibórioEm São Paulo, grupo de manifestantes definiu trajeto do protesto com a Polícia Militar (09/01/2014). Foto: iG/Bárbara LibórioProtesto de São Paulo contra o aumento do preço das passagens do transporte público começou sem incidentes (09/01/2015). Foto: iG/Bárbara LibórioPor conta da manifestação, trânsito da Avenida São João, no centro da cidade, fica parado. Foto: Barbara Liborio/iGSegundo o major Larry de Almeida Saraiva, do 11º  batalhão, a negociação sobre o trajeto da manifestação pelo fim da cobrança de tarifa no transporte público foi tranquil. Foto: iG/Bárbara LibórioPolícia Militar de SP acompanha os protestos com a cavalaria nesta sexta-feira (9). Foto: Vitor Sorano/iGCavalaria da Polícia Militar de São Paulo se prepara para acompanhar manifestantes em protesto contra tarifa de ônibus (09/01/2015). Foto: Vitor Sorano/iG


Leia tudo sobre: passe livreirrestritoestudantesacampamprefeituraiGSP

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas